Bruxelas aceita regresso ao mercado regulado até 2020

  • ECO
  • 3 Agosto 2017

A medida que permite aos consumidores voltarem ao mercado regulado de eletricidade não vai contra nenhuma lei europeia, desde que se efetive a liberalização em 2020.

A União Europeia não tem nenhuma lei que impeça o Governo de permitir o regresso de consumidores ao mercado regulado de eletricidade, desde que, em 2020, os preços sejam totalmente desregulados. É assim que a Comissão Europeia responde ao jornal Público (acesso pago), que questionou diretamente a instituição acerca da proposta apresentada pelo PCP que quer levantar a proibição do regresso ao mercado regulado.

“À primeira vista não parece contrária” às regras europeias, disse ao jornal uma fonte oficial de Bruxelas, “desde que o objetivo final de desregular completamente os preços em 2020 se mantenha”. Na mesma resposta, a Comissão Europeia afirmou que há vários Estados-membros em que é permitida a entrada e saída de consumidores do mercado liberalizado “sempre que queriam”. O aviso fica, no entanto, dado: esta medida não pode significar um “passo atrás no processo de liberalização”.

"À primeira vista não parece contrária [às regras europeias], desde que o objetivo final de desregular completamente os preços em 2020 se mantenha.”

Fonte oficial da Comissão Europeia

A medida que permitirá aos consumidores que já se encontram no mercado livre de voltarem a contratar serviços de eletricidade no mercado regulado, com as tarifas fixadas pela ERSE, foi aprovada pelo Parlamento em julho, pelo que falta a promulgação do Presidente da República.

Segundo a ERSE, são 4,85 milhões os consumidores que já têm contratos de energia no mercado liberalizado. A registar uma maior parcela dos clientes do mercado (84%) está a EDP Comercial, que tem solidificado a sua posição como principal operador. O período transitório vigora até 31 de dezembro de 2020.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas aceita regresso ao mercado regulado até 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião