CDS pede esclarecimento à CNE sobre propaganda do PS em Lisboa

  • Lusa
  • 3 Agosto 2017

Em causa está a distribuição de "vários materiais de propaganda institucional" que o CDS considera estarem a "encapotar propaganda política".

A concelhia do CDS-PP em Lisboa pediu hoje esclarecimentos à Comissão Nacional de Eleições (CNE) sobre a propaganda da maioria socialista no executivo relativa a obras feitas no espaço público.

“Venho trazer à vossa atenção o caso de Lisboa, onde a Câmara Municipal tem vários materiais de propaganda institucional, como ‘outdoors’ (junto ao Centro Comercial Fonte Nova, em Benfica), lonas (antiga Feira Popular de Entrecampos) e totens (Segunda Circular, junto à saída para o centro comercial Colombo)”, refere a concelhia na comunicação feita à CNE, a que a agência Lusa teve acesso.

"Na nossa perspetiva, trata-se de uma justificação encapotada de fazer propaganda política que é paga pelos próprios lisboetas através das elevadas taxas e impostos que são exageradamente cobrados.”

João Gonçalves Pereira

Porta-voz da candidatura de Assunção Cristas

O CDS-PP fala também no “envio de ‘flyers’ por correio com mensagens de propaganda institucional”, tudo material “proibido durante o período de pré-campanha eleitoral […] desde o dia 12 de maio de 2017, data do despacho de convocação de eleições autárquicas”.

Em causa está a divulgação de obras no âmbito do projeto “Uma praça em cada bairro”, criado em 2014 pela maioria socialista no executivo para dinamizar o espaço público da cidade, privilegiando os acessos pedonais em detrimento da circulação automóvel. Sob o mote “Viver melhor Lisboa”, são exibidas intervenções que permitiram criar as “novas praças Saldanha e Picoas”, um “novo Largo do Calvário”, um “novo Largo de Alcântara” e uma “nova Alameda das Linhas de Torres”.

As questões levantadas pelo CDS-PP vêm na sequência da notícia do jornal Público da passada sexta-feira, que dava conta de que a CNE tinha dado 24 horas à Câmara de Vila Franca de Xira para retirar ‘outdoors’. O jornal dava conta do entendimento da CNE sobre uma violação à lei que regula a propaganda eleitoral depois da marcação das eleições autárquicas, que define ser “proibida a publicidade institucional de atos, programas, obras ou serviços, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública”.

Em declarações à Lusa, o porta-voz da candidatura da centrista Assunção Cristas à presidência do município de Lisboa, João Gonçalves Pereira, vincou que o atual presidente, Fernando Medina (PS), “tem gasto milhares de euros em propaganda do município sob a forma de publicidade institucional”.

"Todos os limites foram objetivamente ultrapassados.”

João Gonçalves Pereira

Porta-voz da candidatura de Assunção Cristas

“Na nossa perspetiva, trata-se de uma justificação encapotada de fazer propaganda política que é paga pelos próprios lisboetas através das elevadas taxas e impostos que são exageradamente cobrados”, criticou o também vereador na Câmara lisboeta. Frisando que “todos os limites foram objetivamente ultrapassados”, o centrista justificou o pedido feito à CNE com o facto de se estar perante um “’regabofe’ no esbanjamento de recursos públicos”.

Na comunicação feita à CNE, o CDS-PP denuncia ainda um ofício enviado a 15 de maio passado pelos vereadores do Urbanismo, Manuel Salgado, e da Educação, Catarina Albergaria, aos diretores das escolas municipais, solicitando “apoio na distribuição” aos alunos do ensino básico da brochura “Lisboa a tua cidade”.

Tal documento explicava “a estratégia seguida pela Câmara” relativamente ao espaço público, assente nos projetos “Uma praça em cada bairro”, o “Escola Nova”, o “Pavimentar Lisboa” e a requalificação da frente ribeirinha, entre outros. “Face à dúvida existente sobre a legalidade destas decisões da Câmara Municipal de Lisboa, atento o período em que nos encontramos, venho solicitar um esclarecimento por parte da CNE”, conclui o CDS-PP.

As eleições autárquicas estão marcadas para 01 de outubro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CDS pede esclarecimento à CNE sobre propaganda do PS em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião