Juncker reclama para si louros da retoma europeia

  • ECO
  • 3 Agosto 2017

"Lutei arduamente pela estabilidade do Eurogrupo, em particular pela Grécia. Se não o tivesse feito, a zona euro ter-se-ia degradado", diz o presidente da Comissão Europeia.

A economia está a crescer, o desemprego está a cair e os défices também. “Não há nada de que nos queixarmos”. A posição é de Jean-Claude Juncker, que acredita que, se a União Europeia está hoje em boa forma, isso deve-se, em parte, ao seu próprio trabalho. Em entrevista ao Politico, o presidente da Comissão Europeia recorda a sua atuação na crise económica e diz estar pronto para enfrentar desafios como o Brexit ou Donald Trump.

“Se a Comissão Europeia não tivesse assegurado que a Grécia não era expulsa da zona euro em 2015, o balanço seria pior. Na altura, lutei arduamente pela estabilidade do Eurogrupo, em particular pela Grécia [contra os desejos do ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble]. Se eu não tivesse feito isso, a zona euro ter-se-ia degradado“, disse Juncker na entrevista ao Politico.

Agora, acredita, a situação da União Europeia é bastante mais favorável. “Há uma situação melhor para reportar do que há um ano, e isso não está dependente do meu humor, mas de factos“, salienta. Juncker admite também que, ainda que devesse receber uma fatia considerável do crédito por esta recuperação, não é isso que vai acontecer na realidade. Mais deixa claro que é “demasiado velho e tem “demasiada experiência” para se incomodar com o facto de os Estados-membros reclamarem para si os louros e atirarem culpas para Bruxelas.

Sobre o Brexit, o presidente da Comissão Europeia reconhece que o processo será complexo. “As pessoas vão tornar-se cada vez mais conscientes da densidade dos problemas, sem que sejam capazes de encontrar sempre uma resposta coerente para estes problemas”. Seja como for, o Brexit não é reversível, garante.

Juncker deixa ainda duras críticas a Donald Trump. “É impressionante”, diz sobre os últimos eventos em Washington, que culminaram na saída de Anthony Scaramucci da direção de comunicação. “Somos mais bem organizados do que a Administração Trump. Isso deve-se ao facto de, quando temos dificuldades internas, essas dificuldades serem superadas em conversas diretas, em vez de despedirmos pessoas”.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Juncker reclama para si louros da retoma europeia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião