Desemprego na Zona Euro atinge mínimos de 2009. Inflação estabiliza

  • Juliana Nogueira Santos
  • 31 Julho 2017

A taxa de desemprego da Zona Euro atingiu, em junho, valores de fevereiro de 2009. Os valores da inflação vieram confirmar as preocupações do BCE.

O desemprego na Zona Euro caiu para mínimos de fevereiro de 2009. Os dados divulgados esta segunda-feira pelo Eurostat confirmam uma queda da taxa de desemprego em julho, relativamente ao mesmo mês de 2016, estabelecendo-se nos 9,1%. Este valor ficou abaixo dos 9,2% que os analistas previam.

As quedas mais acentuadas registaram-se em Espanha (-2,8 pontos percentuais para os 17,1%) e na Croácia (-2,7 pontos percentuais para os 10,6%), dois dos países com as taxas mais altas dos 19. Portugal é o sétimo país com a taxa mais elevada (9%) da zona euro, localizando-se 0,1 p.p. abaixo da média dos 19 países, mas 1,3 p.p. acima da média da União Europeia — esta que se encontra nos 7,7%.

Preços estabilizam

Se o emprego melhorou, a inflação, o indicador mais atentamente seguido pelo BCE para avaliar a sua política monetária, estabilizou. Os preços na Zona Euro registaram uma subida de 1,3% no mês de julho, tal como já tinha acontecido em junho. Em termos setoriais, foi na energia que os preços mais aumentaram — 2,2%.

No entanto, quando os elementos mais voláteis (alimentação, energia, tabaco e álcool) não são contabilizados, a inflação subjacente localiza-se nos 1,2%, um valor que retoma o registado em abril deste ano e que representa uma aceleração pelo terceiro mês consecutivo e que compara com os 0,9% registados em julho de 2016.

Estes dados, divulgados pelo Eurostat num documento separado, vão ao encontro das preocupações do presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, que justificou a última decisão da instituição — a de manter inalterado o programa de estímulos, pelo menos até ao outono — com um crescimento insuficiente da taxa de inflação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desemprego na Zona Euro atinge mínimos de 2009. Inflação estabiliza

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião