Principais bancos perderam 800 trabalhadores desde janeiro. Novo Banco lidera saídas

  • Lusa
  • 31 Julho 2017

Os quatro principais bancos nacionais já perderam 800 trabalhadores desde janeiro. O Novo Banco lidera a lista com mais de 350 saídas.

Cerca de 800 trabalhadores saíram este ano de quatro dos principais bancos que operam em Portugal e pelo menos outros tantos deverão sair até final de 2017, segundo contas feitas pela Lusa. O maior número de saídas, no primeiro semestre, aconteceu no Novo Banco, a instituição criada aquando da resolução do Banco Espírito Santo (BES) e que está em processo de venda aos fundo norte-americano Lone Star.

Entre janeiro e junho, saíram 366 pessoas da operação em Portugal, tendo o Novo Banco fechado o primeiro semestre com 5.706 trabalhadores.

Na Caixa Geral de Depósitos (CGD), desde início do ano e até final de julho saíram cerca de 300 trabalhadores em reformas e pré-reformas. O banco público tinha no final de junho 8.070 empregados em Portugal.

Já no BCP, o maior banco privado português, depois da redução de centenas de pessoas nos últimos anos, o processo de saídas de trabalhadores está mais normalizado. O banco que tem como principal acionista o grupo chinês Fosun tinha, em junho, 7.303 funcionários em Portugal, apenas menos 30 do que no final de 2016.

Quanto ao BPI, no primeiro semestre reduziu o quadro de pessoal em 119 trabalhadores, tendo chegado a final de junho com 5.406 pessoas. Contudo, a redução vai intensificar-se uma vez que mais 500 vão sair ao longo deste ano (e alguns ainda no início de 2018), no âmbito do programa de reformas antecipadas e rescisões voluntárias lançado no início deste ano, quando o BPI passou a ser controlado pelo espanhol CaixaBank.

Também na CGD, as saídas vão continuar e em número considerável, uma vez que o plano de reestruturação acordado por Bruxelas implica a saída de 2.000 trabalhadores até 2020. O presidente executivo do banco público, Paulo Macedo, anunciou esta semana que mais 348 pessoas poderão sair este ano, uma vez que há 248 trabalhadores que pretendem reformar-se ou pré-reformar-se e mais 100 que manifestaram interesse em aderir ao programa de rescisões por mútuo acordo.

Quanto à Caixa Económica Montepio Geral, depois de em 2016 terem saído mais de 400 trabalhadores, no primeiro semestre deste ano até aumentou o quadro de pessoal em quatro pessoas. Assim, no final de junho, o banco mutualista contava 3.592 empregados.

Nos últimos anos, os bancos têm vindo reduzir consideravelmente as suas estruturas, desde logo com cortes de trabalhadores, com o objetivo de reduzir custos e melhorar resultados. Em 2016, cerca de 2.000 trabalhadores saíram dos cinco principais bancos a operar em Portugal (CGD, BCP, Santander Totta, Novo Banco e BPI), quase o dobro dos cortes de postos de trabalho feitos em 2015.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Principais bancos perderam 800 trabalhadores desde janeiro. Novo Banco lidera saídas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião