Lucros da Allianz crescem quase 20% na primeira metade do ano

  • Lusa
  • 4 Agosto 2017

Os resultados positivos devem-se em parte aos bons resultados dos seguros da área Vida e Saúde. As receitas subiram 2,3% entre janeiro e junho.

A seguradora alemã Allianz anunciou hoje um lucro de 3.810 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, superior em 17,9% face a igual período de 2016, suportado sobretudo nos bons resultados dos seguros Vida e Saúde.

A Allianz, que a 26 de julho tinha divulgado as contas do segundo trimestre, explicou que o resultado operacional do grupo na primeira metade deste ano foi de 5.860 milhões de euros, 15,7% acima do alcançado em idêntico período do ano passado, referiu em comunicado.

Além disso, a companhia seguradora referiu que o resultado líquido atingido no primeiro semestre deste ano foi também influenciado positivamente pela gestão dos fundos Pimco. As receitas, entre janeiro e junho, subiram 2,3% para 66.200 milhões de euros.

O grupo segurador alemão informou ainda que pretende comprar a divisão de seguros de danos e acidentes da britânica Liverpool Victoria (LV) e realçou que a rentabilidade dos capitais próprios (ROE) situava-se, no final do segundo trimestre, em 13,4% (12,3% em igual período de 2016).

“Estamos a meio caminho da implementação da nossa estratégia de renovação a três anos e nesta etapa é claro que os esforços dos nossos acionistas estão a dar frutos”, disse o presidente da Allianz, Oliver Bäte.

O responsável máximo da seguradora manifestou-se também satisfeito com os resultados do primeiro semestre e revelou que espera obter um resultado operacional em 2017 de 10.800 milhões de euros.

Este resultado operacional é em 500 milhões de euros superior ao limite máximo esperado para este ano e que apontava inicialmente para os 10.300 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros da Allianz crescem quase 20% na primeira metade do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião