Santa Casa muda regras no pagamento de prémios para travar lavagem de dinheiro

  • ECO
  • 4 Agosto 2017

Vencedores de prémios entre dois mil e cinco mil euros vão ter dar nome completo, data de nascimento, número de contribuinte, documento de identificação e, claro, os números vencedores.

É já domingo que as regras vão mudar. Se jogar no Euromilhões, ou em qualquer outro jogo da Santa Casa, e for o feliz contemplado, no momento de receber o prémio não vai bastar dar apenas o número da conta, terá de fornecer também o nome completo, a data de nascimento, o número de contribuinte, documento de identificação e, claro, os números vencedores.

O objetivo é evitar o branqueamento de capitais. O vice-provedor da Santa Casa da Misericórdia explicou à TSF que esta foi uma jogada de antecipação, porque existe uma diretiva comunitária que será transporta para Portugal, que exige regras mais apertadas na atribuição de prémios pecuniários. No entanto, Edmundo Martinho garantiu que não há qualquer mudança ao nível dos prazos ou da forma como as pessoas recebem o dinheiro.

Estas alterações afetam apenas os prémios entre os dois mil e cinco mil euros. Acima de 5.000 euros, o pagamento dos prémios já exige a apresentação de uma série de dados pessoais e de forma presencial nas instalações da Santa Casa, o que já vai ao encontro das regras da diretiva comunitária relativa ao branqueamento de capitais e terrorismo.

Até 150 euros os premiados recebem os prémios em dinheiro diretamente dos mediadores. Só acima desse limite se recebe através de transferência bancária. Apesar das novas regras, para os prémios entre 150 e dois mil euros basta indicar o número da conta sem mais elementos de identificação.

Aos microfones da TSF, Edmundo Martinho admitiu que, apesar de no domingo, terminar oficialmente o Joker, esta poderá não ser uma decisão definitiva. O jogo poderá ser apenas suspenso para ser posteriormente modernizado e reativado no futuro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santa Casa muda regras no pagamento de prémios para travar lavagem de dinheiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião