SIRESP colapsa todos os anos, com tempestades ou incêndios

  • ECO
  • 7 Agosto 2017

A rede de comunicações de emergência falhou na visita do Papa Bento XVI, na cimeira da NATO, e regista falhas todos os anos com tempestades ou incêndios, incluindo uma quebra de 13% da rede.

A rede de comunicações de emergência conhecida como SIRESP regista falhas todos os anos, inclusive de até 13% da rede nacional, mas o Governo nunca exigiu à empresa que a opera que pagasse coimas, escreve esta segunda-feira o Jornal de Notícias (acesso pago).

Segundo relatórios de desempenho entre 2010 e 2017 a que o jornal teve acesso, o SIRESP falha sistematicamente em momentos de tempestades fortes ou de incêndios, como terá acontecido este ano durante o incêndio de Pedrógão Grande — incidente sobre o qual ainda decorre uma investigação.

De acordo com o Jornal de Notícias, durante a tempestade Stephanie, por exemplo, em fevereiro de 2014, 13% da rede de comunicação falhou com a queda de 65 estações do SIRESP que ficaram sem bateria. Em 2013, este problema com as baterias já tinham sido registadas. Durante as tempestades e incêndios, os cabos que ligam estas redes de telecomunicações de emergência podem ser quebrados ou ficar danificados.

As antenas móveis, que podem ser usadas em caso de danificação ou falha dos meios fixos, também não funcionam bem, falhando quando há muitas solicitações, acrescenta o Jornal de Notícias. Foram registadas ainda falhas durante a visita do Papa Bento XVI, em 2010, e durante a cimeira da NATO.

O Jornal de Notícias assinala que o Governo português nunca exigiu à empresa que opera este sistema de telecomunicações que pagasse multas pelo seu fraco desempenho, mesmo após vários anos de relatórios negativos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SIRESP colapsa todos os anos, com tempestades ou incêndios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião