Google despede trabalhador acusado de sexismo

James Damore argumentou que são as "diferenças biológicas" que justificam a falta de diversidade dentro das empresas tecnológicas e a Google despediu-o por "perpetuar estereótipos de género".

James Damore era, até agora, engenheiro de software da Google. Na semana passada, fez circular por todos os colegas um memorando onde partilhava a sua visão sobre o porquê de haver poucas mulheres na tecnologia e em posições de liderança. “Diferenças biológicas”, argumentou Damore. A Google não gostou e despediu-o.

À Reuters, o antigo trabalhador da Google explica que foi despedido por “perpetuar estereótipos de género”. Damore discorda e acusa a Google de tentar silenciá-lo, já que, antes de ter sido despedido, tinha apresentado uma queixa junto da direção norte-americana das relações de trabalho. (NLRB, na sigla em inglês). “É ilegal retaliar contra uma queixa ao NLRB”, diz, sem revelar a razão da queixa.

O engenheiro de software adianta, por isso, que está a explorar todas as vias legais através das quais pode contestar a decisão da Google.

Já a Google recusa comentar publicamente o caso deste trabalhador. Numa nota interna, citada pela Reuters, o presidente executivo da tecnológica, Sundar Pichai, diz aos trabalhadores que algumas partes do memorando anti-diversidade “violam o Código de Conduta da Google e passam a linha, ao promover estereótipos de género”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Google despede trabalhador acusado de sexismo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião