Google despede trabalhador acusado de sexismo

James Damore argumentou que são as "diferenças biológicas" que justificam a falta de diversidade dentro das empresas tecnológicas e a Google despediu-o por "perpetuar estereótipos de género".

James Damore era, até agora, engenheiro de software da Google. Na semana passada, fez circular por todos os colegas um memorando onde partilhava a sua visão sobre o porquê de haver poucas mulheres na tecnologia e em posições de liderança. “Diferenças biológicas”, argumentou Damore. A Google não gostou e despediu-o.

À Reuters, o antigo trabalhador da Google explica que foi despedido por “perpetuar estereótipos de género”. Damore discorda e acusa a Google de tentar silenciá-lo, já que, antes de ter sido despedido, tinha apresentado uma queixa junto da direção norte-americana das relações de trabalho. (NLRB, na sigla em inglês). “É ilegal retaliar contra uma queixa ao NLRB”, diz, sem revelar a razão da queixa.

O engenheiro de software adianta, por isso, que está a explorar todas as vias legais através das quais pode contestar a decisão da Google.

Já a Google recusa comentar publicamente o caso deste trabalhador. Numa nota interna, citada pela Reuters, o presidente executivo da tecnológica, Sundar Pichai, diz aos trabalhadores que algumas partes do memorando anti-diversidade “violam o Código de Conduta da Google e passam a linha, ao promover estereótipos de género”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google despede trabalhador acusado de sexismo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião