Trabalhadores da PT que a Altice quer transferir começam a rescindir

  • ECO
  • 10 Agosto 2017

Dos 155 trabalhadores da PT que a Altice quer transferir para outras empresas do grupo, 26 já rescindiram os contratos de trabalho.

Há cada vez mais trabalhadores da PT Portugal que estão a rescindir os contratos para não serem transferidos para outras empresas do grupo Altice. À TSF, a Comissão de trabalhadores diz que 26 dos 155 trabalhadores da PT que a Altice quer transferir para outras empresas já rescindiram os contratos.

“Dos 155 trabalhadores transmitidos, e pensamos que a intenção da empresa não é ficar por aqui, 26 já rescindiram o seu contrato de trabalho porque não quiseram ser tratados como mercadoria e ser transferidos para uma empresa sem ter uma palavra a dizer neste processo”, diz à TSF Francisco Gonçalves, da Comissão de Trabalhadores da PT.

Em causa estão 155 funcionários da PT que a Altice, grupo francês que detém a empresa portuguesa de telecomunicações, quer transferir para outras empresas do grupo, como a Tnord, a Sudtel, a Windprovit ou a parceira Visabeira, recorrendo à figura de transmissão de estabelecimento.

O Governo tem defendido que é a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) que tem de avaliar a legalidade desta situação. A ACT, por seu lado, aponta que não consegue atuar sem que a legislação seja alterada. É neste contexto que trabalhadores e sindicalistas da PT pretendem reunir-se, esta manhã, com o primeiro-ministro, durante o Conselho de Ministros.

A Comissão de Trabalhadores da empresa pede que o Governo assuma as suas responsabilidades e altere a lei “no sentido de proteger os direitos dos trabalhadores”. “O primeiro-ministro tem de tornar público o que está disponível a fazer para defender o trabalho com direitos”, diz ainda Francisco Gonçalves à TSF.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores da PT que a Altice quer transferir começam a rescindir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião