AIE corta previsões da procura. Petróleo volta a baixar dos 50 dólares

O petróleo negociado em Nova Iorque chegou a valorizar 1% na quinta-feira. Esta manhã, depois do relatório publicado pela AIE, reverte os ganhos e volta a baixar da fasquia dos 50 dólares.

A procura pelo petróleo produzido pelos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) vai voltar a cair este ano e no próximo. Os cálculos são da Agência Internacional da Energia (AIE), que, no relatório sobre o mercado do petróleo divulgado esta sexta-feira, revê em baixa as previsões para a procura, contrariando assim a OPEP, que reviu em alta as suas previsões.

No relatório divulgado esta sexta-feira, a AIE reconhece que o mercado petrolífero está a reequilibrar-se, numa altura em que os membros da OPEP e alguns aliados procuram cumprir os cortes de produção acordados no final do ano passado. Contudo, as reservas mantêm-se demasiado elevadas e a procura pelo crude produzido pelos países da OPEP deverá ser menor do que o inicialmente estimado, já que o crescimento do consumo em alguns mercados foi sobrestimado.

É o caso da China e da Índia. A procura por petróleo no mercado indiano deverá aumentar em 135 mil barris por dia em 2017 e em 275 mil barris por dia no próximo ano, prevê agora a AIE. Nas anteriores previsões, a agência apontava para crescimentos da procura superiores.

Feitas as contas, a AIE estima agora que a procura pela matéria-prima produzida pela OPEP chegue aos 32,6 milhões de barris por dia, abaixo dos 32,84 milhões de barris por dia que produziu em julho.

Depois da publicação deste relatório, o petróleo, que na quinta-feira chegou a valorizar mais de 1%, reverte agora esses ganhos. O Brent, negociado em Londres, está a recuar 0,67% para 51,55 dólares por barril. Já o WTI, negociado em Nova Iorque, perde 0,76% para 48,22 dólares por barril.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

AIE corta previsões da procura. Petróleo volta a baixar dos 50 dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião