Banca vai continuar a cortar crédito às empresas até 2019

  • ECO
  • 11 Agosto 2017

Seis dos maiores bancos portugueses vão cortar o crédito às empresas não financeiras em 2,5% este ano e 5% em 2018.

A banca nacional vai continuar a fechar a torneira do crédito às empresas, pelo menos, até 2019. Segundo os planos de financiamento 2017-2019 entregues à Autoridade Bancária Europeia (EBA, na sigla em inglês), consultados pelo Dinheiro Vivo, seis dos maiores bancos portugueses vão cortar o crédito às empresas não financeiras em 2,5% este ano e 5% em 2018.

BCP, BPI, Crédito Agrícola, Montepio, Caixa Geral de Depósitos e Novo Banco são os seis bancos portugueses que partilharam estes planos de financiamento e que confirmam a tendência que se tem verificado nos últimos tempos. No primeiro semestre, os novos empréstimos concedidos pela banca ao segmento das empresas totalizaram pouco mais de 14 mil milhões de euros, valor que representa uma quebra homóloga de 6,5% e que é o mais baixo do histórico do Banco de Portugal.

Só em 2019 é que a banca nacional volta a aumentar o crédito às empresas. Nesse ano, os bancos portugueses preveem uma subida inferior a 3%, um valor que fica aquém das previsões da maioria dos países europeus.

A contração de crédito às empresas que vai verificar-se em Portugal nos próximos anos é a mais acentuada da Europa. Aliás, a concessão de crédito às empresas no conjunto da União Europeia vai crescer, em média, 3% e 4% este ano e no próximo. Dos 27 países que entregaram estes dados à EBA, só o Reino Unido, além de Portugal, é que prevê contrair o crédito.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca vai continuar a cortar crédito às empresas até 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião