Contratos de crédito à habitação com taxa fixa mais do que duplicaram em 2016

O número de contratos de crédito à habitação de taxa fixa cresceu cerca de 165% no ano passado, segundo o Banco de Portugal, apesar de ainda representarem uma parcela baixa do número total.

Os portugueses estão a apostar cada vez mais por fixar a taxa de juro do seu crédito à habitação. Segundo dados do Relatório de Acompanhamento dos Mercados Bancários de Retalho divulgado esta quinta-feira pelo Banco de Portugal (BdP), “registou-se um aumento expressivo” no número de contratos de crédito à habitação de taxa fixa, no ano passado. Segundo o regulador, registou-se nesse período um acréscimo de 164,5% nesse tipo de contratos.

Segundo os dados da entidade liderada por Carlos Costa fora celebrados um total de 57.912 contratos de crédito à habitação, em 2016, um número que corresponde a um aumento de 34,2% face a 2015, e que surge no seguimento da abertura da torneira do crédito por parte dos bancos, que tem favorecido sobretudo a finalidade de aquisição de casa. Em termos de montantes, os bancos disponibilizaram um total de 5,5 mi milhões de euros em crédito à habitação. Ou seja, mais 39,6% em comparação com o ano de 2015.

“O aumento significativo da contratação em 2016, em particular de crédito à habitação, veio reforçar o crescimento que se tem verificado desde 2013”, diz o comunicado do Banco de Portugal, apesar de ressalvar o facto de o ritmo de crescimento da concessão ter sido inferior à do ano anterior.

Uma das principais mudanças que se constatou no ano passado foi o forte aumento do número de contratos em que a opção foi fixar a taxa de juro do crédito, apesar de a taxa variável continuar a dominar os empréstimos à habitação. “Registou-se um aumento expressivo no número de contratos de crédito à habitação celebrados com taxa de juro fixa e com taxa de juro mista (mais 164,5% e mais 95,2% do que em 2015, respetivamente)”, refere o BdP.

Os contratos de crédito à habitação com taxa variável celebrados no ano passado representaram 83,4% do total, ficando aquém dos 89,5% verificados no ano anterior. Já a taxa fixa foi a opção para 4,9% do total de empréstimos celebrados no ano passado, abaixo dos 2,5% que se registaram em 2015.

Estes números resultam da crescente aposta dos bancos em oferecer crédito à habitação de taxa fixa, tendo em conta os níveis historicamente baixos dos indexantes — a Euribor — que se encontram mesmo em valores negativos. Do ponto de vista de quem pretende contrair um empréstimo para a compra de casa, também há mais tentação para privilegiar a taxa fixa, já que procuram proteger-se de futuras subidas das taxas de juro dos seus empréstimos.

Esta preocupação é notória no que respeita ao à renegociação de créditos, onde “a alteração do tipo de taxa de juro, maioritariamente de taxa variável para taxa fixa, surge pela primeira vez entre as três condições mais renegociadas“, segundo diz o relatório do Banco de Portugal.

85% dos contratos de taxa variável usaram a Euribor a 12 meses

No que respeita à taxa variável que continua a estar na maioria da nova concessão de crédito à habitação, de salientar a forte utilização da Euribor a 12 meses. Essa taxa foi usada em 85,3% dos novos contratos, quando em 2015 tinha representado apenas 25% do total. Este aumento surge no seguimento do abandono da maioria dos bancos da disponibilização de crédito à habitação com indexantes com maturidades mais curtas. Uma opção que serviu como forma de proteção face aos níveis negativos das Euribor que chegou primeiro aos prazos mais curtos.

Os contratos indexados à Euribor a três meses passaram a representar 0,9% dos contratos, aquém dos 14,1% verificados em 2015. Já a Euribor a seis meses esteve em 12,3% dos contratos, o que compara com 59,4% do ano anterior.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contratos de crédito à habitação com taxa fixa mais do que duplicaram em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião