CMVM aprova registo da OPA da Associação Mutualista sobre o Montepio

Oferta sobre as unidades de participação do fundo da Caixa Económica Montepio Geral arranca na segunda-feira. Associação Mutualista paga contrapartida de um euro para tirar banco de bolsa.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) registou esta sexta-feira a Oferta Pública de Aquisição (OPA) da Associação Mutualista Montepio Geral sobre a Caixa Económica Montepio Geral. Em vista estão as unidades de participação do fundo do banco pelas quais a associação se propõe a pagar um euro por unidade. Oferta arranca já na segunda-feira com o objetivo de retirar o banco da bolsa.

“A oferta decorrerá entre as 8h30 do dia 14 de agosto de 2017 e as 15h30 do dia 8 de setembro de 2017, podendo as respetivas ordens de venda ser recebidas até ao termo deste prazo. Os detentores das unidades de participação que aceitem a oferta poderão revogar as suas declarações de aceitação até às 23h59 do dia 3 de setembro de 2017”, lê-se no comunicado da CMVM.

A data prevista para o apuramento e divulgação dos resultados da oferta é o dia 11 de setembro de 2017.

Foi a 4 de julho que a Associação Mutualista anunciou o lançamento da OPA. Propõe-se a pagar um euro por cada unidade de participação, um valor igual ao que estes títulos foram vendidos numa primeira fase a investidores de retalho.

 

Associação já comprou metade da OPA

Ao mesmo tempo que aprovou o registo da OPA, o regulador do mercado deu ainda luz verde ao prospeto apresentado pela Associação Mutualista relativo a esta operação. No documento, a entidade liderada por Tomás Correia informa que desde o anúncio preliminar da oferta já comprou quase 12% das unidades do fundo do total de 26,5% unidades que ainda não detinha.

Isto quer dizer que cerca de metade do que estava em oferta já foi adquirido pela associação na sequência de transações realizadas em mercado regulamentado desde 4 de julho até à presente data.

Contas feitas, a Associação Mutualista detém mais de 85% das unidades do fundo. Ou seja, a OPA visa apenas 15% do fundo, o que implicará um investimento de 59 milhões de euros.

No prospeto, a associação mutualista demonstrou o compromisso de comprar as ações que forem atribuídas aos detentores das unidades de participação que não aceitarem vender na OPA, na sequência da já anunciada transformação da caixa económica em sociedade anónima.

“O oferente manterá uma ordem permanente de compra das unidades de participação no mercado regulamentado Euronext Lisbon, bem como uma ordem permanente de compra fora de mercado regulamentado das ações ordinárias que entretanto sejam emitidas em substituição do capital institucional e das unidades de participação do fundo de participação como consequência da transformação da entidade visada em sociedade anónima”, indica a Associação Mutualista.

Mudanças à vista

Estas mudanças acontecem depois de a Caixa Económica Montepio Geral ter realizado um aumento de capital de 250 milhões de euros, totalmente subscrito pelo único acionista, a Associação Mutualista, “para acabar com as dúvidas” em relação à solidez do banco, afirmou José Félix Morgado ao ECO em junho.

E acontecem também depois de a dona do Montepio e a Santa Casa da Misericórdia terem assinado um memorando de entendimento. Acordo que vai permitir a entrada da entidade liderada por Pedro Santana Lopes no capital do banco.

(Notícia atualizada às 22h00)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CMVM aprova registo da OPA da Associação Mutualista sobre o Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião