Portugal vai ter um novo embaixador na OCDE

O embaixador Bernardo Homem de Lucena é o novo embaixador de Portugal junto da OCDE em substituição de Paulo Vizeu Pinheiro.

É oficial. Paulo Vizeu Pinheiro vai deixar o cargo de Representante Permanente de Portugal na Delegação Permanente junto da Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económico (OCDE). Bernardo Fernandes Homem de Lucena é o senhor que se segue e que entrará em funções a partir de 1 de setembro, revela o decreto do Presidente da República, publicado esta sexta-feira em Diário da República.

O cargo é da escolha do primeiro-ministro. E a opção de António Costa recaiu sobre o seu assessor diplomático, função que agora passará ser desempenhada por Bernardo Futscher Perteira, que era embaixador de Portugal em Dublin, avançou o Público (acesso condicionado) no início de agosto. Os dois homens são embaixadores de carreira, o que denota a importância que Costa quer dar ao cargo.

Bernardo Homem de Lucena, antes de ser assessor para os assuntos diplomáticos foi embaixador em Cabo Verde. Agora ruma a Paris para substituir Paulo Vizeu Pinheiro, antigo adjunto diplomático de Passos Coelho, que estava em funções desde 18 de fevereiro de 2013 e que agora roda para Moscovo, como avançou a revista Visão em maio.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Cesário (direita) acompanhado pela ministra das Comunidades de Cabo Verde, Fernanda Fernandes (centro) e do então embaixador de Portugal em Cabo Verde, Bernardo Homem de Lucena, que agora é o novo embaixador de Portugal junto da OCDE. Esta foto data de 4 de junho de 2013. José Maria Borge/LUSAJOSE MARIA BORGES/LUSA 4 de junho, 2013

 

Esta rotação resulta de um movimento diplomático mais amplo que incluiu os cargos de embaixador na China (José Augusto Duarte, era assessor diplomático de Marcelo Rebelo de Sousa); Paris (Jorge Torres Pereira substitui José Filipe Morais Cabral); Moscovo (Paulo Vizeu Pinheiro) e Caracas (Carlos Sousa Amaro que era cônsul-geral em Manchester).

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Portugal vai ter um novo embaixador na OCDE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião