Incêndios obrigam à evacuação de várias aldeias

São mais de 200 ocorrências este sábado, o que deixa este dia próximo do recorde batido na sexta-feira (220 incêndios). Fogos que já estavam controlados voltaram a reacender.

Depois de uma manhã aparentemente mais calma em termos de incêndios, que levou ao domínio de alguns fogos que já lavravam há vários dias, com a chegada do final do dia a situação foi-se agravando e já há várias aldeias a serem evacuadas. Fogos que já estavam controlados voltaram a reacender. No habitual ponto de situação feito pela proteção civil, Patrícia Gaspar revelou que são mais de 200 as ocorrências registadas este sábado, o que deixa este dia próximo do recorde batido na sexta-feira (220 incêndios).

Fruto das condições meteorológicas registadas no terreno, e com grande parte do país em seca extrema ou severa, muitos dos incêndios foram reativados, como é o caso da Mealhada, Cantanhede, Alvaiázere, Ferreira do Zêzere, para além dos novos fogos que vieram agravar a situação e que levaram a responsável a lembrar que o combate aos fogos só é possível com a ajuda de todos. Mas a responsável destacou a existência de “algumas situações críticas em Tomar” onde há evacuações em curso ou sã previsíveis nas próximas horas: Quinta da Lamarosa, no concelho de Cantanhede em Coimbra onde foram evacuadas 250 pessoas, a área de Cabeça Gorda em Tomar e aldeias circundantes, nomeadamente a sul da Venda (que ainda não está a ocorrer mas que, caso a venha a ser necessária terá se ser feita com recurso a meios aquáticos, recorrendo à barragem de Castelo de Bode. “Tivemos também de evacuar um lar e alguns habitantes da aldeia de Barcouço, no Concelho da Mealhada, distrito de Aveiro e temos uma possível situação, que está a ser avaliada, na praia dos Palheiros, em Coimbra, Carvalhosas”, disse Patrícia Gaspar.

Mas, cerca de 40 minutos depois do brieffing — que agora voltou a ocorrer duas vezes por dia — começaram a ser evacuadas pessoas por barcos em Castelo de Bode, porque ficaram encurraladas pelas chamas, avançou o Correio da Manhã.

A responsável revelou ainda foi ativado o plano distrital de emergência de Proteção Civil do distrito de Coimbra, que pelas 18h30, sendo que neste distrito também estão acionados os planos municipais de emergência de Cantanhede e de Coimbra. Na tarde de sábado também foi ativado o plano municipal de Miranda do Corvo. O objetivo é reforçar “os mecanismos de coordenação institucional e operacional, para que as entidades, quer locais quer de âmbito distrital, possam ter mais mecanismos ao seu dispor para resposta às situações em curso”.

Um bombeiro combate um incêndio perto da aldeia de Cioga do Campo, em Cantanhede, Coimbra. Paulo Novais/EPAPaulo Novais/EPA 12 Agosto, 2017

Durante a tarde “houve casas em perigo, mas na esmagadora maioria das situações foi possível atempadamente deslocar meios para salvaguardar estas situações: as pessoas e os seus bens”, garantiu, dando como exemplos o incêndio do Beco (Santarém), Ferreira do Zêzere, várias povoações como Porta Nova, Outeiro do Marco, do Beco; na área de Cantanhede, no reacendimento de Portunhos, o fogo aproximou-se de localidade como São Silvestre e Ançã, sendo que os meios aéreos tiveram de atuar em proteção ao Palácio de São Marcos, especificou.

Por altura do ponto de situação, o segundo do dia, às 19h00, a responsável sublinhou que havia 108 ocorrências que exigiam concentração de meios humanos, terrestres e aéreos. Patrícia Gaspar sublinhou ainda que as atenções da proteção Civil se centram nos distritos Coimbra, Santarém e Aveiro onde houve “reativações de incêndios que durante a manhã tinham ficado dominados”. Na transmissão em direto, a partir de Carnaxide, Patrícia Gaspar disse mesmo que a manhã tinha sido “relativamente tranquilo” tendo sido possível chegar ao domínio das grandes ocorrências” que se registaram ao longo dos últimos dias.

Todos os meios de reforço são mantidos no terreno para conseguir responder e apoiar estas situações, disse Patrícia Gaspar, em declarações transmitidas pela Sic Notícias, para além de se manter o nível de alerta laranja para todos os distritos.

Houve novamente novas falhas pontuais da rede Siresp, acrescentou Patrícia Gaspar.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incêndios obrigam à evacuação de várias aldeias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião