Offshores: Fisco tem de manter online dados de transferências relativas aos últimos quatro anos

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 14 Agosto 2017

Portaria que vem regulamentar a publicação de dados estatísticos referentes a transferências para paraísos fiscais foi publicada esta segunda-feira.

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) deverá manter online a informação estatística de transferências para offshores relativamente aos últimos quatro anos. Este é um dos pontos da portaria publicada esta segunda-feira, que regulamenta a publicação desta informação.

Em maio, uma alteração à Lei Geral Tributária (LGT) veio determinar a publicação anual do valor total e destino das transferências e envio de fundos para territórios com regime de tributação privilegiada. Além disso, definiu que o relatório anual a apresentar ao Parlamento até final de junho, sobre a evolução do combate à fraude e evasão fiscais, deve incluir a evolução destas transferências e o resultado de ações nesta matéria. Estas alterações tinham de ser regulamentadas no prazo de três meses, indicava ainda a lei.

É essa regulamentação que está hoje publicada em Diário da República, entrando em vigor amanhã. A informação a publicar anualmente no site “deverá incluir o número e valor das transferências e envio de fundos” para aqueles territórios, agregada por “tipologia do sujeito passivo ordenante, autonomizando a informação relativa a contribuintes especiais — Não residentes com retenção na fonte a título definitivo (NIFs iniciados por 45 ou 71) e diferenciando as operações ordenadas por sujeitos passivos singulares e coletivos”. Deve ainda ser agregada por “jurisdição de destino” e “motivo da transferência, por categoria de operação”.

Além disso, “a Autoridade Tributária e Aduaneira deverá manter no seu sítio na Internet a informação disponível relativa aos últimos quatro anos, devendo ser atualizada até ao final do terceiro mês após o termo do prazo estabelecido para a comunicação” nos termos da lei (final de julho de cada ano), indica ainda a portaria.

O relatório a apresentar à Assembleia da República também deverá incluir uma “análise evolutiva da quantidade e valor das operações realizadas nos últimos quatro anos”. E no que diz respeito aos procedimentos desenvolvidos nesta área, deve ainda indicar o número de ações concluídas e o valor das correções efetuadas, o número de processos de contencioso e montantes contestados, bem como indicação do sentido de eventuais decisões proferidas no ano, e ainda o número de ações que originaram Processos de Inquérito pela prática do crime de Fraude Fiscal.

Os dados de transferências para offshores deixaram de ser publicados quando Paulo Núncio era secretário de Estado dos Assuntos Fiscais mas voltaram a ser divulgados nesta legislatura, com o anterior governante Rocha Andrade. A questão levantou polémica quando o jornal Público noticiou que 10 mil milhões saíram do país sem controlo do Fisco.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Offshores: Fisco tem de manter online dados de transferências relativas aos últimos quatro anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião