Não foram 14 mil. Apagão das offshores afetou 21 mil transferências

  • Margarida Peixoto
  • 7 Março 2017

Afinal, o apagão informático afetou 21 mil transferências para offshores, em vez de 14 mil. Valor em causa mantém-se perto dos 10 mil milhões de euros.

Helena Borges está a ser ouvida na comissão de orçamento e finanças esta terça-feira. A comissão é presidida por Teresa Leal Coelho, à direita.Paula Nunes / ECO 7 março, 2017

O erro de leitura nas declarações submetidas pelos bancos à Autoridade Tributária afetou 21.146 operações, em vez de 14 mil, como tinha sido inicialmente reportado pelo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade. A correção foi feita esta terça-feira, pela diretora-geral da Autoridade Tributária, Helena Borges, que está a ser ouvida pela comissão de orçamento e finanças, na Assembleia da República.

A diferença entre o número de operações que ficaram por ler resultou de um lapso de reporte do gabinete das Finanças, explica o documento distribuído esta tarde aos deputados, e a que o ECO teve acesso. Contudo, e apesar desta diferença, o valor que está em causa é sensivelmente o mesmo: 9.733 milhões de euros.

O documento identifica as declarações dos bancos à Autoridade Tributária por data de submissão, o ano de transferências a que dizem respeito e a leitura que resultou dessas declarações — com erro informático, e sem erro informático.

Segundo a tabela, a maior discrepância de valores diz respeito a transferências efetuadas em 2014 e que foram reportadas pelos bancos em 2015. Nestas declarações, foram inicialmente lidas 1.951 linhas, correspondentes a 189,4 milhões de euros transferidos. Mas mais tarde percebeu-se que ficaram por ler 12.680 linhas, que reportavam transferências de 3.379 milhões de euros.

Dados antes e depois da deteção do erro

Valores em milhões de euros
Fonte: Direção-geral da Autoridade Tributária e Aduaneira

O documento acrescenta ainda que depois da publicação das estatísticas (em abril de 2016, corrigidas de erro) foram submetidas mais duas declarações, ainda respeitantes a 2014, com 805 operações e um montante transferido de 69,3 milhões de euros.

Declarações submetidas depois de abril de 2016

Valores em milhões de euros
Fonte: Direção-geral da Autoridade Tributária e Aduaneira

Isso mesmo fez questão de salientar o deputado social-democrata António Leitão Amaro, indicando que, das 20 declarações omissas, a maioria reporta ao verão de 2015, mas que algumas são já de depois das eleições legislativas. Quer isto dizer que só poderiam ser tratadas no final de 2015 ou em 2016, defendeu.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Não foram 14 mil. Apagão das offshores afetou 21 mil transferências

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião