Não foram 14 mil. Apagão das offshores afetou 21 mil transferências

  • Margarida Peixoto
  • 7 Março 2017

Afinal, o apagão informático afetou 21 mil transferências para offshores, em vez de 14 mil. Valor em causa mantém-se perto dos 10 mil milhões de euros.

Helena Borges está a ser ouvida na comissão de orçamento e finanças esta terça-feira. A comissão é presidida por Teresa Leal Coelho, à direita.Paula Nunes / ECO 7 março, 2017

O erro de leitura nas declarações submetidas pelos bancos à Autoridade Tributária afetou 21.146 operações, em vez de 14 mil, como tinha sido inicialmente reportado pelo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade. A correção foi feita esta terça-feira, pela diretora-geral da Autoridade Tributária, Helena Borges, que está a ser ouvida pela comissão de orçamento e finanças, na Assembleia da República.

A diferença entre o número de operações que ficaram por ler resultou de um lapso de reporte do gabinete das Finanças, explica o documento distribuído esta tarde aos deputados, e a que o ECO teve acesso. Contudo, e apesar desta diferença, o valor que está em causa é sensivelmente o mesmo: 9.733 milhões de euros.

O documento identifica as declarações dos bancos à Autoridade Tributária por data de submissão, o ano de transferências a que dizem respeito e a leitura que resultou dessas declarações — com erro informático, e sem erro informático.

Segundo a tabela, a maior discrepância de valores diz respeito a transferências efetuadas em 2014 e que foram reportadas pelos bancos em 2015. Nestas declarações, foram inicialmente lidas 1.951 linhas, correspondentes a 189,4 milhões de euros transferidos. Mas mais tarde percebeu-se que ficaram por ler 12.680 linhas, que reportavam transferências de 3.379 milhões de euros.

Dados antes e depois da deteção do erro

Valores em milhões de euros
Fonte: Direção-geral da Autoridade Tributária e Aduaneira

O documento acrescenta ainda que depois da publicação das estatísticas (em abril de 2016, corrigidas de erro) foram submetidas mais duas declarações, ainda respeitantes a 2014, com 805 operações e um montante transferido de 69,3 milhões de euros.

Declarações submetidas depois de abril de 2016

Valores em milhões de euros
Fonte: Direção-geral da Autoridade Tributária e Aduaneira

Isso mesmo fez questão de salientar o deputado social-democrata António Leitão Amaro, indicando que, das 20 declarações omissas, a maioria reporta ao verão de 2015, mas que algumas são já de depois das eleições legislativas. Quer isto dizer que só poderiam ser tratadas no final de 2015 ou em 2016, defendeu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Não foram 14 mil. Apagão das offshores afetou 21 mil transferências

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião