Offshores: Software da polémica é da Informatica

O software onde alegadamente houve um erro informático pertence a uma multinacional norte-americana. Empresa defende-se dizendo que ainda é cedo para saber se a culpa está no PowerCenter.

O programa informático no centro da polémica dos offshores chama-se PowerCenter e pertence à Informatica, uma multinacional norte-americana com sede na Irlanda especialista em gestão de dados. A notícia avançada pela SIC revela que o software em causa falhou, tal como tinha indicado Rocha Andrade, por não ter lido todas as linhas das declarações enviadas pelos bancos e, mesmo assim, ter dado o processo como bem-sucedido. Em causa estão dez mil milhões de euros transferidos para offshores que não foram inspecionados pela Autoridade Tributária e Aduaneira.

A anomalia aconteceu na transição dos dados do Portal das Finanças para o sistema central do fisco. Em causa está a ocultação de dados que, para além de ter causado uma disparidade de números nas estatísticas relativas ao período de 2011 a 2014, passaram ao lado da inspeção. Segundo uma fonte do fisco, citada pela SIC, mais de 90% dos dados que não chegaram a ser tratado referem-se a transferências do BES para o Panamá.

Alegadamente, o software não leu todas as linhas das declarações do modelo 38 enviadas pelos bancos nacionais com todos os detalhes sobre estas transferências. Apesar de o processo ficar incompleto na prática, o programa dava a transferências como terminada com sucesso. Em resposta à SIC, a empresa diz ainda ser cedo para saber se foi um erro do software em si ou dos utilizadores do fisco. A Informatica argumenta que o sistema mudou entretanto e existem várias versões.

A multinacional norte-americana afirma ainda que está a colaborar com as autoridades portuguesas na investigação da Inspeção Geral das Finanças. Em reação, o Ministério das Finanças realçam apenas que o assunto está sob investigação.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Offshores: Software da polémica é da Informatica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião