Offshores: Fisco sem “evidência” do que aconteceu

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 7 Março 2017

A Diretora-Geral da Autoridade Tributária e Aduaneira está a ser ouvida no Parlamento sobre as transferências feitas entre 2011 e 2014 para offshores sem vigilância do fisco.

Helena Borges, Diretora-Geral do Fisco esta terça-feira no ParlamentoPaula Nunes / ECO 7 março, 2017

A Diretora-Geral da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) afirmou hoje que não há “evidência” quanto ao que levou a que várias transferências para offshores escapassem ao controlo do fisco e salientou que “algumas” destas operações seriam alvo de inspeção tendo em conta os critérios de seleção utilizados.

Helena Borges está a ser ouvida na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, a propósito das transferências de aproximadamente 10 mil milhões de euros feitas entre 2011 e 2014 para offshores sem vigilância do fisco.

Até ao momento não temos evidência nenhuma do que pode ter provocado esta anomalia“, afirmou Helena Borges em resposta ao PSD.

Já sobre os critérios que são utilizados para selecionar que operações são alvo de inspeção, Helena Borges não quis adiantar detalhes, sob pena de “facilitar ou promover comportamentos” não desejados. Acrescentou, porém, que a seleção de 2014 já está concluída e algumas das transferências em causa seriam alvo de inspeção, respondendo assim a uma questão colocada pelo PS.

Também já ouvido pela comissão, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha de Andrade, já atribuiu o erro a uma falha informática. Esta foi, aliás, a possibilidade que José Azevedo Pereira, líder da AT até julho de 2014, também colocou na mesa. Porém, Azevedo Pereira também afirmou que apenas uma declaração, das 20 que têm sido indicadas, deu entrada no período do seu mandato. Hoje, o PSD afirmou que 18 declarações chegaram a partir do verão de 2015.

Em resposta ao PSD, que quis saber se pode ter existido intervenção humana — uma questão também já levantada pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos — Helena Borges disse não ter qualquer indicação de que isso aconteceu. Mas “a montante e a jusante dos automatismos” nada se pode excluir, acrescentou.

A polémica das offshores também já levou Brigas Afonso, sucessor de Azevedo Pereira, e Paulo Núncio, antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, ao Parlamento.

 

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Offshores: Fisco sem “evidência” do que aconteceu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião