A23 e linha da Beira Baixa cortadas por causa do incêndio no Fundão

  • ECO e Lusa
  • 15 Agosto 2017

Trânsito entre Castelo Novo e a Soalheira foi cortado nos dois sentidos, dada a proximidade das chamas. Linha da Beira Baixa também teve de ser cortada.

A Autoestrada da Beira Interior (A23) está cortada ao trânsito nesta tarde de terça-feira entre Castelo Novo e a Soalheira, no concelho do Fundão, devido ao incêndio que lavra na Serra da Gardunha desde domingo. Mas não é a única. Por volta das 16h25 também foi necessário interromper a circulação na linha da Beira Baixa, entre Castelo Branco e a Covilhã.

Fonte da Scutvias, concessionária da A23, adiantou à Lusa que o trânsito foi cortado nos dois sentidos daquele troço, cerca das 15:45, em virtude da proximidade das chamas. Segundo a fonte, os veículos estão a ser encaminhados para a Estrada Nacional (EN) 18, que nessa zona está aberta ao trânsito.

De acordo com a informação disponibilizada na página da Autoridade de Proteção Civil (ANPC), este incêndio mantém fechada, desde segunda-feira, a circulação rodoviária na EN18, entre Castelo Novo e o Alcaide, freguesias do concelho do Fundão.

A força do fogo obrigou também ao corte da linha da Beira Baixa “por pedido do CDOS [Comando Distrital de Operações de Socorro] de Castelo Branco”. Contactada pela agência Lusa, a CP referiu que um comboio que ia em direção à Covilhã ficou parado em Castelo Branco face ao corte da linha. O mesmo comboio faria depois a viagem de regresso a partir da Covilhã. O transbordo ainda não está assegurado, sendo que “a situação está em avaliação”, afirmou fonte da CP.

O fogo que progride no Fundão, distrito de Castelo Branco, ganhou esta tarde “uma força incalculável” e deixou a localidade de Soalheira rodeada pelas chamas, afirma o presidente da Câmara do Fundão, que pede mais meios no terreno. A situação na Soalheira levou à retirada de pessoas das casas para um quartel dos bombeiros e para um lar, situados dentro da localidade, por não ter sido possível fazer a evacuação para fora da sede de freguesia, disse, à Lusa, Paulo Fernandes.

Para além de Soalheira, o fogo entrou durante a tarde em Vale de Prazeres e ameaça também Alcongosta, onde as chamas já atingiram o interior da localidade, sublinhou o autarca. “As frentes ganharam uma força incalculável. Há uma frente descontrolada entre Alpedrinha e Vale de Prazeres em direção a Póvoa de Atalaia“, contou à Lusa Paulo Fernandes, considerando que “muito provavelmente” outras aldeias poderão estar em perigo nas próximas horas. De acordo com o presidente do município do Fundão, “há casas afetadas”, mas ainda não foi feita a contabilização.

“Faço um apelo total para ter o máximo de meios possíveis. Novamente, como ontem (segunda-feira) à tarde, a situação está completamente descontrolada”, vincou Paulo Fernandes. Uma situação que levou a câmara, ao princípio da noite de segunda-feira, a acionar o Plano de Emergência Municipal.

Este fogo começou perto da localidade de Louriçal do Campo, no concelho de Castelo Branco, e alastrou, ao meio da tarde desse dia, ao território do concelho do Fundão. Às 16h15, estavam envolvidos no combate a este incêndio 396 operacionais, auxiliados por 15 meios aéreos, segundo os dados da ANPC. Na sequência deste fogo, segunda-feira, dois civis sofreram queimaduras e uma bombeira ferimentos ligeiros, igualmente durante o combate a este fogo. Já na madrugada de hoje um acidente com um veículo dos Bombeiros do Fundão provocou quatro feridos ligeiros, que entretanto já tiveram alta hospitalar.

Artigo atualizado às 20h23