A23 e linha da Beira Baixa cortadas por causa do incêndio no Fundão

  • ECO e Lusa
  • 15 Agosto 2017

Trânsito entre Castelo Novo e a Soalheira foi cortado nos dois sentidos, dada a proximidade das chamas. Linha da Beira Baixa também teve de ser cortada.

A Autoestrada da Beira Interior (A23) está cortada ao trânsito nesta tarde de terça-feira entre Castelo Novo e a Soalheira, no concelho do Fundão, devido ao incêndio que lavra na Serra da Gardunha desde domingo. Mas não é a única. Por volta das 16h25 também foi necessário interromper a circulação na linha da Beira Baixa, entre Castelo Branco e a Covilhã.

Fonte da Scutvias, concessionária da A23, adiantou à Lusa que o trânsito foi cortado nos dois sentidos daquele troço, cerca das 15:45, em virtude da proximidade das chamas. Segundo a fonte, os veículos estão a ser encaminhados para a Estrada Nacional (EN) 18, que nessa zona está aberta ao trânsito.

De acordo com a informação disponibilizada na página da Autoridade de Proteção Civil (ANPC), este incêndio mantém fechada, desde segunda-feira, a circulação rodoviária na EN18, entre Castelo Novo e o Alcaide, freguesias do concelho do Fundão.

A força do fogo obrigou também ao corte da linha da Beira Baixa “por pedido do CDOS [Comando Distrital de Operações de Socorro] de Castelo Branco”. Contactada pela agência Lusa, a CP referiu que um comboio que ia em direção à Covilhã ficou parado em Castelo Branco face ao corte da linha. O mesmo comboio faria depois a viagem de regresso a partir da Covilhã. O transbordo ainda não está assegurado, sendo que “a situação está em avaliação”, afirmou fonte da CP.

O fogo que progride no Fundão, distrito de Castelo Branco, ganhou esta tarde “uma força incalculável” e deixou a localidade de Soalheira rodeada pelas chamas, afirma o presidente da Câmara do Fundão, que pede mais meios no terreno. A situação na Soalheira levou à retirada de pessoas das casas para um quartel dos bombeiros e para um lar, situados dentro da localidade, por não ter sido possível fazer a evacuação para fora da sede de freguesia, disse, à Lusa, Paulo Fernandes.

Para além de Soalheira, o fogo entrou durante a tarde em Vale de Prazeres e ameaça também Alcongosta, onde as chamas já atingiram o interior da localidade, sublinhou o autarca. “As frentes ganharam uma força incalculável. Há uma frente descontrolada entre Alpedrinha e Vale de Prazeres em direção a Póvoa de Atalaia“, contou à Lusa Paulo Fernandes, considerando que “muito provavelmente” outras aldeias poderão estar em perigo nas próximas horas. De acordo com o presidente do município do Fundão, “há casas afetadas”, mas ainda não foi feita a contabilização.

“Faço um apelo total para ter o máximo de meios possíveis. Novamente, como ontem (segunda-feira) à tarde, a situação está completamente descontrolada”, vincou Paulo Fernandes. Uma situação que levou a câmara, ao princípio da noite de segunda-feira, a acionar o Plano de Emergência Municipal.

Este fogo começou perto da localidade de Louriçal do Campo, no concelho de Castelo Branco, e alastrou, ao meio da tarde desse dia, ao território do concelho do Fundão. Às 16h15, estavam envolvidos no combate a este incêndio 396 operacionais, auxiliados por 15 meios aéreos, segundo os dados da ANPC. Na sequência deste fogo, segunda-feira, dois civis sofreram queimaduras e uma bombeira ferimentos ligeiros, igualmente durante o combate a este fogo. Já na madrugada de hoje um acidente com um veículo dos Bombeiros do Fundão provocou quatro feridos ligeiros, que entretanto já tiveram alta hospitalar.

Artigo atualizado às 20h23

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€