Venezuela: Parlamento projeta inflação de 1000% em 2017

  • Lusa
  • 15 Agosto 2017

O Presidente da Comissão de Finanças do parlamento venezuelano alertou que a situação venezuelana se agravará nos próximos meses e que a inflação atingirá os 1.000% em finais de 2017.

“A inflação atual (últimos sete meses) é de 249%, mas a tendência é de atingir os 1.000% para final de ano (…). É a inflação mais alta do mundo, está a moer e a destruir o salário e a capacidade aquisitiva do povo venezuelano”, disse aos jornalistas.

Segundo José Guerra, na Venezuela a “situação é de extremada precariedade”, com os preços a subirem devido à “criação de dinheiro inorgânico” pelo Banco Central da Venezuela, por instruções do executivo.

“É o impacto da quantidade de dinheiro do Banco Central o que está a criar que um quilograma de massa tenha um preço de 18 mil bolívares (5,15 euros à taxa oficial de câmbio mais alta)”, frisou.

Com relação ao sistema de controlo cambial que desde 2003 vigora no país e que impede a livre obtenção local de moeda estrangeira, recomendou ao Governo flexibilizar e transformar as três taxas oficias numa só.

“Unificar os tipos de câmbio, flexibilizar o controlo de preços, ir aos mercados internacionais, refinanciar a dívida pública, travar a impressão de dinheiro e aplicar uma nova política petrolífera”, disse.

Por outro lado, explicou que “é dramática” a situação da empresa estatal Petróleos de Venezuela S.A. (Pdvsa), porque a produção está em queda desde há 10 meses e a companhia está “altamente endividada”.

“A dívida com fornecedores locais e estrangeiros é praticamente de 20 mil milhões de dólares”, frisou, precisando que a produção diária é de dois milhões de barris de petróleo, dos quais entre 500 mil e 600 mil destinam-se ao consumo interno.

Dos 1,4 milhões restantes, explicou, 300 mil vão para a China e outros 300 mil para a Rússia, para o pagamento de financiamentos.

“O que se gera em caixa é um milhão de barris (diários), por isso estamos numa situação de absoluta precariedade“, sublinhou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Venezuela: Parlamento projeta inflação de 1000% em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião