Rendas estão mais caras. Estudantes preferem Arroios

  • Ana Batalha Oliveira
  • 17 Agosto 2017

Tanto em Lisboa como no Porto, as rendas para estudantes estão a subir. Ainda assim, as da Invicta são 25% mais baratas do que as da capital.

Os estudantes lisboetas preferem Arroios, onde a renda média mensal é de 338 euros. Este valor fica abaixo da média da cidade, que está 11% mais cara que no segundo semestre do ano passado. No Porto a tendência é a mesma, embora os preços sejam 25% mais baixos do que na capital. Paranhos, a zona mais procurada, regista uma renda média de 258 euros por mês.

Em Lisboa, no segundo trimestre deste ano, a renda média mensal registada pela plataforma Uniplaces foi de 364 euros por quarto: um preço 11% mais elevado que em 2016. No mesmo período, a zona mais procurada foi Arroios, onde a renda média mensal é de 338 euros. Esta foi a preferência de 12% dos estudantes. Esta zona perdeu recentemente nos acessos, com o metro a fechar para obras que só têm conclusão prevista para 2019.

Seguiram-se na lista das favoritas as zonas de São Sebastião e Alameda, nas quais um quarto vale em média 397 euros e 369 euros por mês, respetivamente. Contudo, não são as mais caras: o Intendente atingiu uma média de 399 euros mensais.

Na cidade invicta, um estudante pagou em média 272 euros por mês entre abril e junho, mais 8% que no ano anterior. Os quartos são portanto cerca de 25% mais baratos do que em Lisboa. Outra diferença é a concentração da procura, que é bastante mais elevada no Porto. Aqui, Paranhos é a parte da cidade mais requisitada pelos estudantes para viverem. A renda nesta zona excede a média da cidade, com um quarto a valer 258 euros por mês.

Bonfim, em segundo na lista das preferências, regista uma renda média de 273 euros. Em terceiro no pódio fica a Cedofeita, a zona mais cara das três: um quarto custa em média 273 euros. Matosinhos bate recordes nos preços, exigindo aos estudantes uma média de 350 euros mensais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rendas estão mais caras. Estudantes preferem Arroios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião