Registos de alojamento local duplicam com as novas regras

  • ECO
  • 12 Agosto 2017

Em apenas três meses, e perante o anúncio de novas regras para o Alojamento Local e ameaça de multas, duplicou o registo de unidades a operar no mercado. São 8.650 os novos registos oficiais.

São 8.650 os novos registos oficiais de alojamento local verificados entre maio e julho deste ano. Ou seja, o dobro dos valores registados em período homólogo, revela o Público (acesso condicionado). Este aumento corresponde à legalização das unidades que já estão a operar no mercado e não a uma nova vaga de casas no mercado de arrendamento de curta duração para aproveitar o verão e a enchente de turistas.

Esta corrida à regularização de casas destinadas ao Alojamento Local resulta de uma alteração das regras em vigor. Desde 1 de julho, o Governo obrigou a identificação do Registo Nacional de Estabelecimentos de Alojamento Local (RNT) em plataformas como o Airbnb. Quem não respeite a regra decorrente das alterações ao regime jurídico dos empreendimentos turísticos, onde se inclui o Alojamento Local fica sujeita ao pagamento de multas.

Segundo a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, os dados de maio a julho, são “motivo mais do que suficiente” para se considerar como “muito eficaz” a obrigatoriedade do número do registo nas plataformas. “É a [obrigatoriedade] que realmente faz a diferença para induzir à legalização da oferta”, acrescenta, citada pelo Público. A responsável destaca ainda que o número de unidades “que passam a contribuir para a economia formal e para o pagamento de impostos”.

"É a [obrigatoriedade] que realmente faz a diferença para induzir à legalização da oferta.”

Ana Mendes Godinho

Secretária de Estado do Turismo

Apesar de a lei só ter entrado em vigor a 1 de julho, só as notícias de que as regras iam mudar levaram ao aumento significativo dos registos. Eduardo Miranda, presidente da Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) sublinha, citado pelo Público, que, “excluindo o crescimento orgânico”, foram identificados “3.500 novos registos adicionais, o que é um número muito superior ao habitual e que consideramos ser consequência direta da obrigatoriedade de colocação do número de registo nas plataformas eletrónicas de Alojamento Local”.

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, em julho, o primeiro mês de vigência das novas regras, fiscalizou 142 operadores de Alojamento Local, instaurou 30 processos de contraordenação e suspendeu a atividade de um estabelecimento, revela a Lusa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Registos de alojamento local duplicam com as novas regras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião