Fisco e ASAE investigam 3.750 alojamentos locais

  • Lusa
  • 3 Julho 2017

A Autoridade Tributária e Aduaneira, em conjunto com a ASAE, estão a investigar 3.750 alojamentos locais. A operação mobilizou mais de 600 agentes. O objetivo é prevenir a economia informal.

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) e a Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) estão a investigar 3.750 espaços de alojamento local de modo a obter um “rigoroso acompanhamento do seu comportamento declarativo”, foi revelado esta segunda-feira.

Em nota, a AT indica que a ação nacional deu-se em 28 de junho e juntou 550 inspetores da AT e 90 da ASAE e os espaços de alojamento local, e respetivos contribuintes responsáveis pela gestão, “serão objeto de um rigoroso acompanhamento do seu comportamento declarativo, estando prevista a realização procedimentos inspetivos subsequentes nos casos em que forem detetados elevados riscos de incumprimento“.

A presença da AT e da ASAE no terreno, advoga a AT, “é indispensável para detetar, dissuadir, e penalizar situações de incumprimento voluntário, tendo um significativo efeito dissuasor e pedagógico sobre os contribuintes” num momento de expansão da “economia partilhada”.

“Portugal tem vindo a observar um crescimento exponencial do turismo nos últimos anos, que veio potenciar o fenómeno da economia partilhada, ganhando particular expressão através do desenvolvimento do alojamento local”, lê-se na nota da AT.

E concretiza: “Tratando-se de um setor emergente, com enorme potencial de crescimento e baseado em economia partilhada, é determinante que as entidades responsáveis pelo controlo do setor unam esforços, no sentido de prevenir o eventual desenvolvimento de economia informal, garantindo assim o correto cumprimento por parte dos sujeitos passivos, das diversas obrigações fiscais e legais a que estão sujeitos”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fisco e ASAE investigam 3.750 alojamentos locais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião