Lisboa não escapa ao terror nas bolsas. PSI-20 cai 1%

  • Rita Atalaia
  • 18 Agosto 2017

O ataque terrorista em Barcelona, que tirou a vida a 14 pessoas, gerou o pânico nas bolsas europeias. Lisboa não escapou aos receios dos investidores, com o PSI-20 a cair mais de 1%.

O atentado terrorista em Barcelona, que fez 14 vítimas mortais no centro da cidade, arrastou as bolsas europeias para o vermelho, assim como aconteceu do outro lado do Atlântico. Lisboa não foi exceção. A praça nacional cedeu mais de 1%, pressionado pelas perdas expressivas do BCP, CTT e Jerónimo Martins. Apenas quatro cotadas escaparam a esta tendência.

O índice de referência português, o PSI-20, fechou a cair 1,09% para 5.185,68 pontos, em linha com o que aconteceu no resto da Europa. Os investidores acabaram por procurar ativos de refúgio, como é o caso das obrigações e do ouro, abandonando as ações. “Os ataques terroristas nos EUA e em Espanha agravaram a crise geopolítica”, afirma Simon Quijano-Evans à Bloomberg. “Em determinada altura, é provável que isto culmine numa reação mais extrema do mercado”, acrescenta o estratega da Legal & General Investment Management.

Entre as cotadas que mais perderam, destaque para o BCP (-2,09%), CTT (-1,05%), Jerónimo Martins (-2,09%) e para a Galp Energia (-0,54%). No caso da petrolífera, é um desempenho que surge depois da notícia de que o presidente Carlos Gomes da Silva e o administrador Costa Pina foram constituídos arguidos no caso Galpgate.

O ataque terrorista foi já reivindicado pelo Daesh. Uma carrinha banca atropelou esta quinta-feira à tarde centenas de pessoas na Rambla de Barcelona, uma das zonas mais movimentadas da cidade. Morreram 14 pessoas, segundo o último balanço. Há ainda mais de uma centena de feridos. Já durante a madrugada, a polícia da Catalunha abateu pelo menos cinco terroristas que pretendiam fazer um atentado em Cambrils, em Terragona.

No mercado cambial, destaque para o euro. A moeda única volta a apreciar esta sexta-feira. Avança 0,08% para 1,1730 dólares, corrigindo da queda desta quinta-feira, após as minutas do Banco Central Europeu (BCE) terem revelado que alguns membros do banco central estão preocupados com a excessiva valorização da moeda. Nos ativos de refúgio, o ouro valoriza 0,24% para 1.295,76 dólares por onça.

Investidores procuram refúgio no ouro

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa não escapa ao terror nas bolsas. PSI-20 cai 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião