Catalunha: há 14 mortos e uma portuguesa entre as vítimas

  • ECO
  • 18 Agosto 2017

Um atentado numa das zonas mais movimentadas de Barcelona resultou em 13 mortos e mais de 100 feridos. Segundo ataque, em Cambrils, matou uma pessoa.

Há uma portuguesa entre as 14 vítimas que resultaram dos dois ataques desta quinta-feira, em Barcelona e Cambrils, Catalunha. Uma mulher de 74 anos morreu no atentado terrorista das Ramblas, na cidade catalã. A informação foi confirmada ao ECO pela Secretaria de Estado das Comunidades. A neta da portuguesa, que acompanhava a avó nesse momento, está desaparecida.

“Foi uma má notícia a que tivemos esta manhã, com o falecimento naquelas condições trágicas de uma compatriota nossa, e também por não sabermos do paradeiro de uma jovem que a acompanhava. O Governo português tudo fez para proporcionar à família os elementos disponíveis para este momento de dor mas eu não queria deixar de expressar desde já essa dor, esse pesar, pela morte de uma cidadã portuguesa numa tragédia provocada pelo terrorismo“, disse o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações à RTP por telefone.

Uma carrinha banca atropelou esta quinta-feira centenas de pessoas na Rambla de Barcelona, uma das zonas mais movimentadas da cidade. A polícia catalã já confirmou que se tratou de um atentado terrorista e o Daesh reivindicou entretanto o ataque que resultou na morte de 14 pessoas, segundo o último balanço. Há ainda mais de uma centena de feridos. Entre as vítimas mortais do atentado estão dois alemães e um belga, escreve o El País. Entre os feridos contam-se pessoas de pelo menos 18 países. Entretanto, o segundo atropelamento durante a noite, em Cambrils (Terragona), resultou na morte de uma pessoa.

Atentado nos jornais

O assunto marca as páginas dos jornais espanhóis, que dão conta dos detalhes dos acontecimentos. O autor do atropelamento fugiu e continua por encontrar, diz o El País. A polícia catalã deteve duas pessoas: uma delas é o magrebino Driss Oukabir, que alegadamente terá alugado o veículo. Já esta manhã, os Mossos da polícia catalã anunciaram a detenção de um terceiro e quarto suspeitos.

A identidade do outro atacante ainda não é conhecida mas foi detido em Alcanar (Terragona), onde a polícia suspeita que estaria a preparar um engenho explosivo juntamente com outras pessoas, adianta o jornal. A polícia suspeita que o atentado de Barcelona esteja ligado a uma explosão por manipulação de gás na quarta-feira à noite, e que estava em investigação horas antes do ataque nas Ramblas.

Segundo atentado na Catalunha

Pouco faltava para as cinco da tarde em Barcelona quando uma carrinha irrompeu pelo passeio pedonal, fechado ao trânsito, da Rambla. Percorreu cerca de 500 metros atropelando várias pessoas, até parar sobre o mosaico de Miró. O condutor acabou por fugir. De acordo com o El Mundo, o presumível autor do atentado será Moussa Oukabir, de 17 anos.

O jornal diz ainda que foi encontrado um passaporte na carrinha em nome de um homem de origem marroquina mas naturalizado espanhol. Esse homem — Driss Oukabir, um dos detidos — acabou por apresentar-se voluntariamente às autoridades, dizendo que lhe roubaram a documentação.

Já durante a madrugada, a polícia da Catalunha abateu pelo menos cinco terroristas que pretendiam fazer um atentado em Cambrils (Terragona), avança ainda o El País. Quatro seguiam numa viatura, armados com cintos explosivos, e o quinto terá sido abatido horas mais tarde depois de ter sido localizado por um helicóptero. Da ação resultaram seis feridos, entre os quais três polícias e uma mulher apunhalada pelo quinto terrorista. A polícia liga este ataque ao de Barcelona, adianta o jornal.

As autoridades espanholas adiantaram, entretanto, que as vítimas mortais e feridos dos dois atentados são de 34 nacionalidades diferentes.

Notícia em atualização.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Catalunha: há 14 mortos e uma portuguesa entre as vítimas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião