António Costa quer “novo ciclo político”. Desafia PSD para os fundos europeus

"Passadas as eleições autárquicas, o tempo político será distinto", diz o primeiro-ministro que conta com o PSD para aprovar grandes investimentos que contarão com fundos europeus.

Após “virar da página da austeridade”, António Costa aponta agora a um “novo ciclo político”, mas apenas depois das autárquicas. O primeiro-ministro defende, em entrevista ao Expresso (acesso pago), que é preciso aumentar o investimento público sendo, para isso, fundamental contar com o apoio do PSD para captar fundos europeus.

“Até às autárquicas, cada um vai tratar de fazer o melhor resultado possível. Este não é o tempo dos acordos, é o tempo das disputas. Passadas as autárquicas, outro tempo virá, certamente com melhores condições para consensos”, refere António Costa. “Passadas as eleições autárquicas, o tempo político será distinto”, nota.

Depois das autárquicas, Costa aponta para um novo ciclo. “A esquerda e a direita não se distinguem, em nenhum país do mundo, por decidir se fazem um aeroporto ou não, uma linha férrea e se ela tem este ou aquele traçado. São objetivos que têm de ser consensuais porque são compromissos que ficam para séculos”, diz.

Se queremos ser competitivos temos de ter boas infraestruturas e para isso é necessário consolidar conceitos. É extraordinário ver hoje notícias sobre o esgotamento do aeroporto de Lisboa quando há quatro anos havia quase uma guerra civil no país sobre a necessidade da construção de um novo aeroporto”, acrescenta.

Questionado pelo Expresso se conta com o PSD para ter a maioria de dois terços necessária na Assembleia da República para aprovar estes investimentos, que estão assentes num novo acordo com a União Europeia para fundos comunitários, Costa diz que “é fundamental [contar com o PSD]. Esse consenso não deve ser construído a partir do nada, mas a partir da análise das necessidades concretas do país e deve estar alicerçado em boa informação”, remata.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Costa quer “novo ciclo político”. Desafia PSD para os fundos europeus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião