Empresas mais amigas da sociedade? A eSolidar dá a mão

  • Ana Batalha Oliveira
  • 21 Agosto 2017

A startup portuguesa eSolidar criou um programa que vem introduzir práticas de solidariedade nas empresas.

Chama-se Business eSolidar e é um programa que quer envolver os funcionários das empresas para maximizar e analisar o impacto social. Esta é a nova aposta da startup portuguesa eSolidar, cuja plataforma online já se dedicava à angariação de fundos para causas sociais.

O Business eSolidar quer criar uma rede de solidariedade nas empresas, capacitando os funcionários para que se envolvam em iniciativas de voluntariado corporativo e donativos. É um programa de recursos humanos que estimula a partilha de ideias e preocupações sociais dos funcionários, promovendo desta forma o trabalho em equipa e orgulho na empresa. Os benefícios para a empresa passam pela retenção de talento, aumento da reputação e um maior impacto na sociedade.

Na ótica do CEO e fundador da eSolidar, Marco Barbosa, “esta é mais uma forma de crescimento da plataforma, permitindo um maior alcance empresarial e acesso às ferramentas mais atuais de responsabilidade social”. Marco Barbosa foi distinguido com o título Forbes 30 under 30, que seleciona os empreendedores que mais se destacaram entre vários setores.

A plataforma da startup portuguesa já contava como os Leilões Solidários, através dos quais instituições sociais podem angariar fundos para as causas que defendem em troca de um prémio — desde uma camisola autografada de um clube de futebol até bilhetes para festivais. No total, até ao momento, as 806 organizações que utilizaram a plataforma conseguiram angariar 238.562,78 euros.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas mais amigas da sociedade? A eSolidar dá a mão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião