5 coisas que vão marcar o dia

  • Rita Atalaia
  • 24 Agosto 2017

Por cá, destaque para a reação das ações da Sonae à divulgação dos resultados, mas também para o BCP, que já recua há sete sessões consecutivas. Lá fora, olhos virados para o simpósio de Jackson Hole.

Por cá, a atenção estará virada para reação das ações da Sonae, depois de a empresa ter divulgado uma quebra dos lucros no primeiro semestre, mas também para o desempenho dos títulos do BCP, que registam o mais longo ciclo de quedas desde junho de 2016. Lá fora, o dia será dominado pelo simpósio de Jackson Hole, organizado pelo banco da Reserva Federal do Kansas, que reúne os banqueiros centrais mundiais. No calendário económico, destaque para os dados sobre o crescimento do Reino Unido e a evolução dos preços no Japão.

Sonae: Queda dos lucros… e das ações?

Os investidores estão atentos à reação das ações da Sonae SGPS, holding que agrega os ativos de distribuição, centros comerciais, telecomunicações e tecnologia, à divulgação dos resultados para os primeiros trimestres do ano. Neste período de seis meses, a empresa registou um lucro de 73 milhões de euros, o que representa uma queda de 4,4% em relação ao mesmo período do ano anterior. Apesar da quebra dos lucros, estes ficaram acima das estimativas dos analistas consultados pela Reuters.

BCP em queda pela… oitava sessão?

Na quarta-feira, as ações do BCP caíram pela sétima sessão consecutiva. Este foi o ciclo mais longo de quedas desde junho de 2016, arrastando a bolsa de Lisboa para o vermelho. Os investidores vão, por isso, estar atentos ao desempenho dos títulos do banco liderado por Nuno Amado para tentarem perceber se esta tendência de perdas é para continuar. As ações estão a negociar nos 0,2263 euros.

Banqueiros centrais reunidos em Jackson Hole

Arranca esta quinta-feira um dos eventos mais importantes do ano para os investidores. É no simpósio de Jackson Hole, organizado pelo banco da Reserva Federal do Kansas e com o tema “Promover uma economia global e dinâmica”, que se juntam os banqueiros centrais mundiais. O foco vai estar, por isso, virado para os discursos de cada um dos responsáveis, incluindo da presidente da Fed, Janet Yellen, e do presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, com os investidores à procura de pistas sobre os planos para a normalização da política monetária.

Como vai a economia britânica?

O instituto de estatísticas do Reino Unido vai divulgar dados que vão mostrar a evolução da economia britânica, numa altura em que continuam a existir dúvidas em torno das negociações sobre a saída do país da União Europeia e o impacto no PIB. A primeira leitura sobre o crescimento mostrou uma expansão de 0,3% durante o primeiro trimestre, um número que deve ser agora confirmado pelo instituto, de acordo com a Bloomberg. O número poderá sofrer alterações, caso se registe uma mudança no desempenho do setor dos serviços.

Preços no Japão. Adeus à deflação?

O banco central do Japão continua a lutar para superar a deflação. Ou seja, a queda persistente dos preços. Por isso, os olhos viram-se esta quinta-feira para a divulgação do relatório sobre a inflação para julho. Segundo analistas consultados pela Bloomberg, os preços deve ter subido em julho, prevendo-se que a inflação subjacente — que exclui alimentos frescos — tenha acelerado 0,5% em termos homólogos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião