Impresa quer vender ou fechar a Visão e outras revistas

O grupo dono da SIC tenciona vender ou fechar a maioria dos negócios no segmento de publishing, nomeadamente a revista Visão, entre outros títulos. Só fica o Expresso e a Caras.

Títulos da Visão na calha para venda ou fecho. Caras mantém-se no grupoPaula Nunes / ECO

A Impresa está determinada em fechar ou vender a esmagadora maioria dos seus negócios no segmento publishing, que conta com títulos como a Visão, apurou o ECO. A informação foi comunicada esta quarta-feira aos quadros superiores do grupo.

Neste segmento, de acordo com uma fonte do ECO, só escapará o Expresso. Outra fonte próxima da empresa disse que o grupo ficará, além do semanário, com a revista Caras. A SIC e os negócios no digital serão mantidos.

Ainda antes desta comunicação, o ECO já tinha contactado oficialmente a Impresa acerca da possibilidade de fecho das revistas, especificamente da Visão. Fonte oficial respondeu que “a Impresa, como é público, está sempre a reavaliar portefólio”, mas não avançou mais pormenores. No entanto, após a publicação destas informações, a companhia emitiu um comunicado a adiantar mais detalhes.

Na nota, a Impresa confirma que “procederá a um reposicionamento estratégico da sua atividade, que implicará uma redução da sua exposição ao setor das revistas e um enfoque primordial nas componentes do audiovisual e do digital”. “Nesse sentido, iniciou um processo formal de avaliação do seu portefólio e respetivos títulos, que poderá implicar a alienação de ativos”, sublinhou.

Atualmente, no segmento de publishing, o grupo detém as revistas Visão, Visão Júnior e Visão História, bem como o jornal Expresso e as revistas Activa, Blitz, Caras, Caras Decoração, Courrier Internacional, Exame, Exame Informática, TeleNovelas, TV Mais e também o Jornal de Letras, Artes e Ideias. Segundo o jornal Público, a venda dos títulos terá de ser feita “até ao final do ano”.

A prioridade passa por continuar a melhorar a situação financeira do grupo.

Impresa

Fonte oficial

“A prioridade passa por continuar a melhorar a situação financeira do grupo, assegurando a sua sustentabilidade económica, e logo a sua independência editorial”, continua a Impresa no comunicado.

Na apresentação de resultados do segundo trimestre deste ano, o grupo liderado por Francisco Pedro Balsemão reportou uma quebra nas receitas neste segmento na ordem dos 7,6% em comparação com o período homólogo. A contribuir para a derrapagem esteve, sobretudo, uma queda nas receitas de publicidade na ordem dos 11,9%, embora as receitas com vendas destes títulos tenham aumentado.

Segundo os últimos dados da APCT, a revista Visão, o título com maior relevo no portefólio de revistas da Impresa, teve uma tiragem de 74.600 (número de exemplares impressos) e uma circulação de 63.627 exemplares, valor que abrange as vendas, assinaturas e ofertas. O dado diz respeito ao período entre março e abril de 2017, o segundo bimestre, e compara com a tiragem de 83.600 e circulação de 71.874 exemplares registada no mesmo período do ano anterior.

O grupo vê-se a braços com uma dívida que, segundo os últimos dados, se cifrava nos 189,1 milhões de euros. No segundo trimestre, apresentou um lucro de 2,8 milhões de euros, uma queda homóloga de 22,5%. As receitas totais também caíram, na ordem dos 4,8%, para 53,9 milhões de euros.

Recorde-se que, em julho, a Impresa falhou uma emissão obrigacionista que pretendia angariar até 35 milhões de euros. A empresa justificou a desistência com alterações no setor (a venda da TVI à Meo), mas o ECO soube na altura que foi a pouca procura que ditou o cancelamento da operação.

Duas centenas de empregos em risco

O Sindicato dos Jornalistas mostrou-se “preocupado com a agitação no grupo Impresa” e pediu uma “reunião urgente” com o presidente do Conselho de Administração, Francisco Pedro Balsemão, para que seja explicada “a anunciada ‘redução da exposição do grupo ao setor das revistas'”, lê-se num comunicado.

A entidade presidida pela jornalista Sofia Branco disse que “lamenta” que a administração da Impresa “não tenha em conta a situação laboral de cerca de duas centenas de trabalhadores” daquele universo de publicações. “O sindicato declara-se solidário com todos os trabalhadores deste universo, colocando-se à disposição para prestar toda a colaboração que considerarem necessária”, acrescentou.

Conselho de redação da Visão lamenta decisão

O conselho de redação (CR) da Visão lamentou a “profunda alteração estratégica” da Impresa numa altura de “recuperação assinalável” e solidarizou-se com a direção editorial da revista para “procurar soluções que viabilizem o futuro da publicação”.

Numa nota enviada à redação da Visão a que a Lusa teve acesso, o CR lamentou “as incertezas” que esta decisão da administração da Impresa “acarreta sobre o futuro quase imediato das revistas do grupo, entre as quais a Visão, a Visão História e a Visão Júnior”. Neste sentido, “os membros eleitos do CR entendem ser seu dever solidarizar-se com a direção editorial da Visão na sua tentativa de procurar soluções que viabilizem o futuro da publicação”, que conta já com 24 anos de existência e que “é líder no seu segmento de mercado”.

O órgão que representa os jornalistas da Visão disse ainda acreditar que “esta equipa editorial continuará a dar provas da qualidade e profissionalismo”.

Relativamente ao “reposicionamento estratégico” agora anunciado pela administração do grupo, o CR da Visão lamenta que “esta profunda alteração estratégica da atividade da Impresa surja num contexto de recuperação assinalável (e em contra corrente com o panorama da imprensa portuguesa) das vendas da Visão e das suas extensões de marca” e também num momento “de cumprimento, e até de superação, dos objetivos orçamentados para o corrente ano, nomeadamente em termos de receita”.

(Notícia atualizada às 18h52 com comunicado do conselho de redação da Visão)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Impresa quer vender ou fechar a Visão e outras revistas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião