Impresa falha emissão obrigacionista de 35 milhões de euros

A empresa dona da SIC retirou a oferta obrigacionista, após prolongar por duas vezes o prazo de subscrição. Justifica-o com alterações nos media, mas fontes de mercado garantem que não houve procura.

A Impresa desistiu da emissão obrigacionista que lançou no início de junho, uma operação onde pretendia garantir até 35 milhões de euros, sobretudo para assegurar o ‘revolving’ de dívida. A empresa dona da SIC justificou essa retirada com as alterações recentes de que o setor de media foi alvo, mas fontes de mercado contactadas pelo ECO garantem que o motivo foi outro: a operação falhou porque não houve procura por parte dos investidores.

Esta operação, recorde-se, tinha sido anunciada em março deste ano, com um valor até 50 milhões de euros. E, à data, a operação da Altice com a Media Capital estava longe de ser conhecida. Posteriormente, a emissão foi revista para 35 milhões de euros, e a operação da Altice ainda não estava anunciada ao mercado. O objetivo da Impresa, liderada por Francisco Pedro Balsemão, seria usar o financiamento angariado para aumentar a maturidade média da sua dívida. Em causa estavam obrigações a cinco anos que apresentavam uma taxa de juro variável igual à Euribor a seis meses mais um prémio de risco (spread) de 4,6%.

Fontes de mercado contactadas pelo ECO garantem que a Impresa tentou assegurar uma colocação e tomada firme, o que não foi possível. Terá tentado junto do BPI, o banco histórico da Impresa, e da Caixa, mas não foi possível confirmar oficialmente esta informação. A operação estava, agora, a ser feita pelo Haitong Bank.

Oficialmente, Francisco Pedro Balsemão justifica a retirada com a recente movimentação da Altice e da Media Capital que, como se sabe, está ainda numa fase preliminar e não deverá estar concluída antes do final do ano.

“A Impresa informa que tomou a decisão de interromper o processo de emissão de obrigações a subscrever por investidores qualificados, anunciado a 3 de julho, atendendo às alterações recentes no setor dos media e ao impacto resultante no sentimento da comunidade de investidores“, diz o comunicado divulgado no site da CMVM.

O que suscita a surpresa do mercado, e de altos responsáveis do setor dos media contactados pelo ECO? Esta decisão comunicada ao mercado, nesta sexta-feira, acontece depois de a Impresa ter por duas vezes alargado o prazo para que os subscritores qualificados, a quem se destinava essa operação, pudessem subscrever essa colocação de dívida. Esta sexta-feira foi a última data fixada como o limite para os investidores poderem participar, após uma decisão de extensão comunicada na passada quarta-feira.

No mesmo comunicado, a empresa liderada por Francisco Balsemão acrescenta que “continuará a acompanhar com atenção e dinamismo a evolução do mercado, de modo a detetar e antecipar o surgimento de condições que favoreçam a estratégia do Grupo”.

 

A dona da SIC vem agora informar que decidiu desta colocação, no seguimento das recentes alterações de que o setor de media foi alvo e o impacto que tal gerou no sentimento dos investidores. A revogação desta operação deverá significar que a Impresa não conseguiu cativar o interesse dos investidores pela sua emissão.

De recordar que no passado dia 14 de julho, a Altice anunciou a compra da Media Capital, dona da TVI. Na ocasião, a Impresa emitiu um comunicado em que dizia que “é, e sempre foi, a favor da concorrência leal num mercado que funcione de forma sã, bem como do pluralismo na comunicação social.” Mas acrescentou: “Estamos confiantes de que os reguladores portugueses e europeus terão estes dois princípios em conta quando se pronunciarem sobre a operação em causa.”

Comentários ({{ total }})

Impresa falha emissão obrigacionista de 35 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião