OE2018: Pedro Nuno Santos promete avanços, mas avisa que têm que ser sustentáveis

  • Lusa
  • 26 Agosto 2017

Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares considerou que o Governo e os partidos parceiros ganharam confiança uns nos outros.

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares assegurou este sábado a inclusão de avanços no Orçamento do Estado para 2018, mas avisou que têm de ser sustentáveis, considerando que o Governo e os partidos parceiros ganharam confiança uns nos outros.

Em declarações aos jornalistas depois de ter assistido a um painel da rentrée do BE, em Lisboa, Pedro Nuno Santos admitiu que o Governo português “gostaria de fazer muito mais do que aquilo” que fará no Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), mas a verdade é que têm restrições.

“Não percamos de vista: há avanços que nós queremos incluir neste orçamento, não queremos que esses avanços ponham em causa o programa que está a ser implementado em Portugal e isso é não incumprirmos as restrições orçamentais que nós enfrentamos”, enfatizou o secretário de Estado responsável pelas negociações do OE2018 com os partidos que parlamentarmente apoiam o Governo socialista.

Por isso, Pedro Nuno Santos explica que “esse avanço” em termos orçamentais tem que ser feito com sustentabilidade e com responsabilidade, não adiantando valores em termos, por exemplo, do alívio fiscal.

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares – que se sentou ao lado da coordenadora do BE, Catarina Martins, a assistir ao painel – considera que a relação entre o Governo socialista e PCP, BE e PEV “só é mais fácil hoje do que era em 2015” porque hoje as partes envolvidas sabem “trabalhar em conjunto”.

“Ganhámos confiança uns nos outros, temos dois anos de trabalho em conjunto e só por isso é mais fácil porque a negociação é sempre exigente, é sempre dura“, admitiu

No entanto, na opinião de Pedro Nuno Santos, “ficou claro já nas primeiras reuniões para o orçamento” que há vontade de todos em conseguir “construir um bom orçamento, de o aprovar”.

“O BE, o PCP, o PEV são três partidos exigentes na sua relação com o PS, exigentes, reivindicativos, duros na negociação, mas esse é um trabalho que fazemos desde o início e que temos feito com sucesso”, referiu.

O governante destacou o trabalho que está a ser feito “em conjunto” e que é “muito importante no país”, onde “finalmente as pessoas têm a esperança e até a certeza de que é possível viver melhor”.

“O BE é um partido não só muito importante na democracia, mas também muito importante desta maioria que nós hoje temos em Portugal e eu tinha gosto em estar aqui presente e assistir a um dos painéis com um debate muito importante”, justificou.

O Fórum Socialismo não é uma novidade para Pedro Nuno Santos, que em 2012, bem antes das funções governativas e então como deputado do PS, foi orador na abertura daquela iniciativa bloquista.

Na altura em que Portugal estava sob intervenção externa, o socialista defendeu que o país deveria negociar a reestruturação da dívida com a ‘troika’, afirmando então que toda a gente, mesmo na direita, o defendia, mas não usava a palavra renegociação.

Já como secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, esta não foi a primeira vez que esteve presente nas ‘rentrées’ políticas dos partidos de esquerda que apoiam parlamentarmente o Governo socialista tendo estado, por exemplo, o ano passado na 40.ª Festa do Avante!, onde afirmou que se encontrava a passear “com muito prazer” e elogiou o “exigente” PCP, “grande partido da democracia portuguesa”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OE2018: Pedro Nuno Santos promete avanços, mas avisa que têm que ser sustentáveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião