Oh, là là! Os 11 restaurantes mais caros do mundo têm capital

  • ECO
  • 26 Agosto 2017

Entre os onze restaurantes mais caros do mundo, mais de metade estão na Europa -- quase todos em Paris. O luxo vai desde os 600 euros por duas pessoas a mais de 2.000 euros.

Na carta dos onze restaurantes mais caros do mundo, os preços começam nos 670 euros para duas pessoas e só terminam nos 2.790 euros. A capital de França é também a capital dos restaurantes mais caros, com o maior número de opções de luxo… mas não chega ao pódio.

O motivo para os preços altos nem sempre é a qualidade dos pratos, avisa o La Vanguardia, que revela o ranking. Prova disso mesmo é o restaurante mais caro do mundo não possuir três estrelas Michelin, a distinção mais alta.

11. Hôtel de Ville, Crissier, Suíça

O chefe Benoît Violier criou o restaurante, mas suicidou-se no início do ano passado. Agora é Franck Giovannini o responsável por manter as três estrelas Michelin que dão brilho ao restaurante. Entre as as especialidades estão o caranguejo e as alcachofras púrpuras picantes.

10. Saison, São Francisco, EUA

O Saison tem tantas estrelas Michelin quanto o Restaurant do Hôtel de Ville e um preço muito semelhante. A particularidade do restaurante de São Francisco são os ingredientes pois muitos proveem da própria horta do restaurante. Quem os põe no prato é o chefe Joshua Skenes.

9. Le Meurice, Paris, França

O primeiro parisiense da carta tem duas estrelas Michelin porque perdeu uma recentemente. Tal como o nome indica, o chefe responsável é Alain Ducasse, o detentor da maior cadeia de restaurantes de luxo do mundo, com mais de 20 espaços só no continente europeu – e mais representantes neste ranking As decorações querem lembrar o Palácio de Versailles. O polvo cozido ou a lagosta são os protagonistas na hora de sentar à mesa.

8. Arpège, Paris, França

Este restaurante nas margens do Sena estende as suas hortas por 2 hectares no centro da capital francesa. O chefe Alain Passard conseguiu as três estrelas Michelin e o prato que melhor as ilustra é o ouef à la coque.

7. Alain Ducasse au Plaza Athenee, Paris, França

Outro restaurante de Alain Ducasse na cidade do amor: este, um pouco mais caro, com menos opções para refeição — apenas 5 pratos — mas três estrelas Michelin.

6. Guy Savoy, Paris, França

No Guy Savoy, é o chefe que empresta de novo o nome ao restaurante. Da sua cozinha sai um prato bastante peculiar que já se tornou um marco do restaurante: a sopa de alcachofras e trufa negra. Pode ser saboreada dentro da Casa da Moeda parisiense, virada para o Rio Sena.

5. Joël Robuchon, Las Vegas, EUA

O chefe francês Joël Robuchon rumou até Las Vegas, onde a alta cozinha está em expansão, para inaugurar o quinto restaurante mais caro do mundo. O caviar de ostra, acompanhado por espargos e creme de couve-flor é o cartão de boas vindas.

4. Kitcho Arashiyama Honten, Quito, Japão

No Japão as estrelas Michelin são o apanágio de vários restaurantes. O La Vanguardia descreve os pratos do chefe Kunio Tokuaka como obras de arte para apreciar em simultâneo com a paisagem – o restaurante oferece vistas para o rio e para as colinas que o rodeiam.

3. Masa, Nova Iorque, EUA

O Masa serve sushi. O chefe MasaTakayama é dos mais reputados do mundo e consegue o último lugar do pódio dos mais caros para além das três estrelas Michelin. No restaurante, os clientes podem abrir o apetite a observar a preparação da refeição, com uma cozinha que permite o olhar dos mais curiosos.

2. Ultraviolet, Xangai, China

Um restaurante que vai para além da experiência gastronómica: a refeição vem acompanhada de efeitos sonoros e visuais para que todos os sentidos sejam estimulados – ao tato e olfato que permitem usufruir das iguarias junta-se a audição e a visão goza de efeitos mais complexos. O chefe Paul Pairet é o artista.

1. Sublimotion, Ibiza, Espanha

O restaurante mais caro do mundo só recebe 12 pessoas de cada vez. Durante três horas, para além da refeição, os clientes esperam entreter-se com óculos de realidade virtual, projeções 360º e luzes néon. A inovação estende-se a alguns pratos, que são preparados com técnicas experimentais.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oh, là là! Os 11 restaurantes mais caros do mundo têm capital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião