Passos: PS “só pensa em dar dinheiro” e na popularidade

Líder do PSD critica o primeiro-ministro e pede ao Governo que faça reformas em áreas como a Segurança Social, Educação, Saúde e Defesa.

O líder do PSD Pedro Passos Coelho considera que o Governo só pensa em “dar dinheiro e na popularidade” e afirma que seria importante para o Executivo de António Costa “fixar objetivos de médio e longo prazo“. Em declarações citadas pela agência Lusa, Passos sublinhou ainda a disponibilidade para gerar consensos.

“É preciso saber o que se quer, não ter medo de ir contra a corrente, em vez de estar sempre a dizer “amém” ao Bloco de Esquerda e ao Partido Comunista Português, a pensar em dar dinheiro, a distribuir benesses, a pensar na popularidade, era importante fixar objetivos de médio e longo prazo e, apesar de estar na oposição, não me importava nada de estar a contribuir para que se gerasse no país um clima que sustentasse um crescimento maior para futuro”, afirmou Pedro Passos Coelho, em Terras de Bouro, distrito de Braga.

O discurso de Passos foi feito na apresentação dos candidatos às autárquicas daquele concelho. O ex-primeiro-ministro apontou ainda o dedo ao Executivo de António Costa, a quem acusa de “nada fazer” a pensar no longo prazo, afirmando que “é extraordinário” que se deem aumentos a um mês das eleições autárquicas, mas, avisou o líder do PSD, isso não vai enganar a população na hora do voto.

“Não vemos nada que o Governo esteja a fazer a pensar no longo prazo, o nosso Governo, infelizmente, só tem vindo a trabalhar com a preocupação do curto prazo. Então agora, com as eleições autárquicas, tem sido extraordinário, até aumentos extraordinários tivemos a um mês das eleições autárquicas, eles acham que as pessoas só reagem com a carteira, mas estão equivocados, as pessoas sabem bem o que se passa”, disse.

Ninguém deita fora aumentos extraordinários que lhes possam dar, mas as pessoas sabem bem que esses aumentos extraordinários acontecem porque há eleições.

Pedro Passos Coelho

Líder do PSD

Passos Coelho disse ainda que gostava era de ver o Governo “preparado para falar em reformas importantes”, como as da Segurança Social, Educação, Saúde, Defesa, “que é como quem diz, da Economia, às políticas sociais e ao Estado”, mas, em vez disso, criticou, António Costa pede consensos para as grandes obras públicas.

“Nem fazemos ideia do que estão a pensar, estávamos à espera de ouvir o Governo falar de grandes consensos quanto às reformas que hão de sustentar a criação do emprego, o crescimento da Economia no médio e longo prazo”, apontou.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Passos: PS “só pensa em dar dinheiro” e na popularidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião