António Costa: “Responsabilidades de Pedrógão não ficarão solteiras”

  • ECO
  • 18 Agosto 2017

O primeiro-ministro não quer tirar conclusões precipitadas sobre o que aconteceu em Pedrógão Grande. António Costa garante que vai receber os relatórios em outubro e que a culpa não ficará "solteira".

António Costa não quer antecipar conclusões sobre o que aconteceu no incêndio em Pedrógão Grande, que tirou a vida a 64 pessoas. O primeiro-ministro garante que os relatórios elaborados pela comissão técnica independente vão chegar em outubro e que “não será seguramente tarde” para se adotar medidas. Costa diz que as culpas “não ficarão solteiras”.

“Não há ninguém mais interessado do que o Governo em que as conclusões surjam o mais depressa possível”, afirma o primeiro-ministro, de acordo com o excerto de uma entrevista ao Expresso. António Costa nota que quanto mais depressa chegarem as conclusões, menor será o “grau de especulação”. Mas não quer antecipar-se à comissão criada para investigar este caso. “Acho que não vale a pena, quando estamos a meio da época de incêndios e quando não está concluído o relatório das entidades independentes, antecipar conclusões sobre responsabilidades”, defende.

“Teremos estes relatórios em outubro”, garante, “e não será seguramente tarde” para adotar medidas. Esta será a “forma de não fazermos nada que possa ser injusto nem deixar de fazer aquilo que tem de ser feito”. O primeiro-ministro afirma que “as responsabilidades apuram-se de forma própria. Aguardaremos serenamente que sejam apuradas e não ficarão solteiras”.

Estas declarações são feitas depois de o Presidente da República ter lamentado que haja “tanta diversidade de posições” quanto à reforma florestal. A votação muda de “diploma a diploma”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, sendo necessária uma maior convergência entre os políticos e parceiros económicos e sociais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Costa: “Responsabilidades de Pedrógão não ficarão solteiras”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião