Autoeuropa vai mesmo parar. “Vai ser uma grande greve”, diz o sindicato

Plenário foi de "afirmação e solidariedade dos funcionários", diz o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, revelando que a greve na Autoeuropa vai ser uma "grande greve".

A Autoeuropa vai mesmo parar. Após o plenário dos trabalhadores da fábrica de Palmela, Rogério Silva, responsável pelo Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, revelou que é grande a solidariedade entre os funcionários, reiterando que a greve vai mesmo acontecer. “Vai ser uma grande greve”, diz.

“Foi um plenário de afirmação e solidariedade dos funcionários da Autoeuropa”, afirmou o responsável em declarações à SIC. Neste plenário, os trabalhadores mantiveram “a rejeição dos horários de trabalho que a empresa pretende impor”. Neste sentido, a greve agendada para 30 de agosto vai mesmo acontecer.

Rogério Silva diz que os horários que a administração pretende aplicar “são horários de segunda a sábado. Prejudicam os trabalhadores e prejudicam a empresa”. A administração vai ter de interpretar que os trabalhadores estão contra estes horários. Desregula os trabalhadores… os trabalhadores querem ter direito a estar com a família, querem o seu tempo pessoal. Querem manter a produção, mas não a troco de intensificar os horários de trabalho, os ritmos…”, notou.

Os trabalhadores “recusam a intenção da administração de implementar horários de segunda a sábado com obrigação do sábado. Estes horários têm enorme rotatividade. Vão prejudicar a saúde dos trabalhadores”, diz. “Admitam mais trabalhadores”, pede o responsável.

“A empresa tem de encontrar soluções. E nós estamos disponíveis para encontrar soluções, mas a bola está do lado da administração. Estamos disponíveis para dialogar. A administração tem de tomar a iniciativa”, salienta, rejeitando que a administração esteja a ameaçar com a deslocalização de partes da produção do novo modelo, o T-Roc, que foi apresentado a 23 de agosto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autoeuropa vai mesmo parar. “Vai ser uma grande greve”, diz o sindicato

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião