Cidades europeias apertam o cerco aos automóveis a diesel

  • ECO
  • 28 Agosto 2017

Face às novas regras de emissões diesel, vários carros enfrentam restrições para circular pelas cidades europeias. Em Portugal contam-se 1,4 milhões que poderão não ser bem-vindos no estrangeiro.

Os 1,4 milhões de carros a gasóleo comprados entre 2006 e 2014 em Portugal não cumprem as normas de emissões que estarão brevemente em vigor em cidades europeias como Madrid ou Paris.

São onze as cidades europeias que prometem proibir a circulação de veículos a gasóleo até 2025, conta o Diário de Notícias. Duas delas são Madrid e Paris. Mas ainda antes desse ano, as regras vão apertar e permitir apenas a entrada de veículos diesel mais amigos do ambiente, isto é, aqueles cuja matrícula exibe uma data de produção posterior a 2014.

Em Portugal, existem 1,4 milhões de veículos a diesel que datam de anos anteriores a 2014. Isto significa que estes carros deverão desvalorizar, para além de conhecerem novas fronteiras à sua circulação. A única hipótese para os condutores é trocá-los ou fazer alterações que os tornem mais “verdes”.

Portugal ainda é um dos países europeus com maior percentagem de carros a diesel. A situação não parece preocupar as associações automóveis nacionais. O presidente da ANECRA, representante dos concessionários, afirma que “Existe algum empolamento à volta desta questão”. Carlos Barbosa, presidente da ACP, acredita que “Os carros a gasóleo não vão desaparecer tão cedo”.

"Os carros a gasóleo não vão desaparecer tão cedo. Só os sonhadores é que pensam assim. Vamos ter carros a combustão durante muito tempo. As marcas estão a fazer motores cada vez mais pequenos e limpos. Daqui a cinco anos, um carro a gasóleo valerá mais do que um carro a gasolina”

Carlos Barbosa, presidente do Automóvel Club de Portugal (ACP)

Um país que serve de ilustração a estas preocupações é a Alemanha, casa da marca Volkswagen e portanto palco dos recentes escândalos de carros a diesel que tinham um dispositivo que manipulava o registo das emissões poluentes. As grandes fabricantes automóveis alemãs — BMW, Mercedes, Opel e Volkswagen — reuniram recentemente com o governo e acordaram uma redução de emissões para os seus veículos de 25% a 30%, alterações que vão custar cerca de 500 milhões de euros, acrescenta o Diário de Notícias.

Perto de um terço dos alemães pretende trocar o seu carro a diesel. Contudo, o presidente da associação de comerciantes alemã assinala que “os clientes estão indecisos. Precisamos de sinais claros do governo para perceber em que condições os diesel vão ser afetados pelas restrições à circulação“.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cidades europeias apertam o cerco aos automóveis a diesel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião