Coreia do Norte faz disparar euro acima de 1,20 dólares

  • Rita Atalaia
  • 29 Agosto 2017

A moeda única superou o patamar dos 1,20 dólares, valorizando para máximos de dois anos. Isto depois de a Coreia do Norte ter disparado um míssil em direção ao Mar do Japão

O euro está em máximos de mais de dois anos. A moeda única superou o patamar dos 1,20 dólares, horas depois de a Coreia do Norte ter disparado um míssil balístico contra o Japão. Esta valorização também está a ser influenciada pela expectativa dos investidores em torno da reunião do Banco Central Europeu, que vai acontecer na próxima semana. Isto depois de Mario Draghi ter mantido o silêncio sobre o desempenho da divisa durante a reunião de bancos centrais em Jackson Hole, nos EUA.

O euro está a valorizar 0,5% para 1,2031 dólares — é o valor mais elevado desde janeiro de 2015. A moeda única ganhou pelo terceiro dia consecutivo, depois de o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, ter ordenado uma “demonstração de força” em resposta a Pyongyang, o que, segundo traders citados pela Bloomberg, intensificou o apelo da divisa enquanto ativo seguro.

Euro em máximo de dois anos

A Coreia do Norte disparou na madrugada desta terça-feira (cerca das 05h57 locais, 21h57 de segunda-feira, em Lisboa) um “projétil não identificado”, aparentemente um míssil, em direção ao Mar do Japão, indicaram os militares sul-coreanos. O projétil terá sobrevoado o arquipélago japonês antes de cair a leste da ilha de Hokkaido em águas do Pacífico.

A procura também está a aumentar antes da reunião do banco liderado por Mario Draghi, no dia 7 de setembro, acrescentam os traders. Em Jackson Hole, o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, preferiu focar o seu discurso nos possíveis riscos do protecionismo. Evitando falar na valorização do euro, o comportamento de Draghi impulsionou a moeda no mercado cambial. Lena Komileva, da G+ Economics, fala de um “silêncio coordenado” no BCE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coreia do Norte faz disparar euro acima de 1,20 dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião