A caminho do Web Summit: 12 eventos que não pode perder na rentrée

  • ECO
  • 31 Agosto 2017

Em plena rentrée e, a caminho da próxima edição do Web Summit, o ECO reúne um guia com os próximos eventos de empreendedorismo em Portugal.

A pouco mais de dois meses do Web Summit, no início de novembro, as cidade de Lisboa, Porto e Coimbra acolhem eventos para novos empreendedores em áreas tão variadas como a saúde ou a tecnologia. O ECO reúne um conjunto de 12 eventos, pagos ou gratuitos, indicados a públicos de várias idades que pretendam desenvolver as suas ideias e transformá-las em potenciais oportunidades de negócio.

Setembro

De 4 de setembro a 16 de outubro, a Associação Empresarial de Portugal vai promover uma sessão coletiva gratuita de Mentoring e Coaching no edifício central do Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC). Num total de 15 sessões, o evento cobre cinco grandes áreas: Indivíduo, Pitch, Competências, Recursos e Projeto. As sessões estão abertas a empresários e empreendedores e os projetos de negócio enquadrados na Estratégia Regional para a Especialização Inteligente do Norte poderão ser selecionados para oito prémios Norte Empreendedor, no valor de 5.000 euros cada. Mais informações sobre o evento aqui. O mesmo evento chegará até novembro a outras cidades no norte do país.

A 5 de setembro decorre a sétima edição da Canopy Lisbon Startup Series Demo Night. O evento decorre nas instalações da Microsoft, em Cabo Ruivo (Lisboa), entre as 18h e as 20h30. Prevê-se que apresentem até seis startups nas áreas da tecnologia e das ciências da vida. O formato das apresentações consiste em exposições de cinco minutos, seguidas de outros cinco minutos de perguntas e respostas. Entre as apresentações haverá espaço para momentos de networking entre os presentes.

Na área da saúde digital, a Porto Design Factory acolhe a nova edição do Startup Pirates Digital Health. De acordo com a organização, o evento “está aberto à participação de quem tiver uma ideia numa fase inicial ou a quem, sem uma ideia, queira aprender como criar um produto para a área da saúde”. De 9 a 16 de setembro, o evento oferece formação aos participantes no sentido de tornar as suas ideias de negócio em empresas competitivas. O evento conta com palestras, workshops, sessões com mentores, momentos de convívio, e um pitch final. As inscrições terminam a 31 de agosto.

A edição deste ano do Pixels Camp, que organiza pela primeira vez o Pixels Camp Launchpad, realiza-se a 25 de setembro. O Pixels Camp organiza três dias ‘non stop’ de conferências e workshops sobre tecnologias emergentes e uma maratona de programação que “tem como objetivo estimular a criatividade dos mais talentosos programadores da comunidade digital”.

No mesmo dia terá lugar a segunda edição do F3E – Feira de Emprego e Empreendedorismo para a Engenharia, no Departamento de Engenharia Eletrotécnica da Universidade de Coimbra. Tratam-se de dois dias preenchidos com com workshops, palestras e uma feira de emprego com oportunidades nas áreas ligadas à engenharia.

Entre 28 de setembro e 1 de outubro entra em ação o DIG Lisbon 2017, um encontro que conta com o apoio da portuguesa Beta-i. O evento é focado em construir melhores relações entre os meios de comunicação social e as startups. A ideia é que, durante os três dias de evento, os founders e os jornalistas e especialistas na cobertura dos temas aproveitem para dar a conhecer os respetivos trabalhos e, claro, possam potenciar as redes de contactos.

Na viragem para o mês de outubro, Coimbra recebe o Hack 4 Ageing Well. De 30 de setembro a 1 de outubro, Instituto Pedro Nunes será ocupado por um hackathlon de 24 horas. O evento, organizado pela belga AAL PROGRAMME, pretende juntar o desenvolvimento de soluções tecnológicas com a promoção de um envelhecimento ativo. As inscrições estão abertas até 15 de setembro. A organização espera 50 participantes de áreas como a engenharia, o design e o marketing. Na lista de parceiros deste envento estão a Impact Hub Lisboa, a Landing Jobs, MAkeSense Lisboa, Startup Lisboa, Startup Braga, Porto Design Factory eUptec.

Outubro

A começar o mês de outubro, no dia 3, a ETIC será palco para uma nova edição da Canopy Lisbon Startup Series Demo Night. O evento terá o mesmo formato da edição anterior.

A 9 de outubro haverá o Congresso Franchising E Empreendedorismo, organizado pela Associação Portuguesa de Franchising. O evento decorrerá no pátio central do Palácio da Bolsa, no Porto, e está aberto a estudantes universitários, empreendedores, fornecedores e interessados ligados ao franchising. Haverá tempo para palestras com especialistas nacionais e internacionais na área.

No dia 12 de outubro, o simpósio “Empreendedorismo Farmacêutico: Fazer Melhor” decorre no Centro de Congressos de Lisboa. Ao longo de todo o dia os participantes poderão assistir a quatro painéis de oradores nacionais e internacionais, com temas nas áreas da saúde e do empreendedorismo. O programa completo está disponível aqui.

No Porto, a International Coaching University de Portugal organiza a StartUP Coaching. O evento decorre na Associação Nacional de Jovens Empresários nos dias 13 e 14 de outubro. Segundo a organização, pretende-se que “os participantes possam desenvolver competências de liderança, acelerar processos de mudança e explorar eficientemente os seus skills e recursos pessoais”.

Novembro

O mês de novembro fica marcado pela próxima edição do Web Summit que, pela segunda vez, se realiza em Lisboa. A conferência nas áreas da tecnologia e da inovação decorrerá novamente em Lisboa entre os oradores confirmados recentemente encontram-se Al Gore e Garry Kasparov. É esperada a presença de mais de 60 mil participantes de 170 países num evento que ocupará 18 palcos na FIL.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A caminho do Web Summit: 12 eventos que não pode perder na rentrée

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião