Três startups portuguesas, dois meses e 900 mil euros na Seedrs

  • Ana Batalha Oliveira
  • 23 Agosto 2017

A HomeIt, Corkbrick Europe e Agroop são as três startups portuguesas que se quiseram financiar na plataforma Seedrs e, antes da conclusão das respetivas campanhas, já excedem as expetativas.

A Homeit, a Corkbrick Europe e a Agroop escolheram financiar-se na Seedrs. Até agora correu bem: já todas ultrapassaram o objetivo inicial e juntas somam 900 mil euros de investimento, conseguidos em dois meses. A primeira a aventurar-se, a Homeit, já atingiu o dobro do pretendido.

Esta é a primeira vez que três startups portuguesas se encontram com campanhas de financiamento ativas na Seedrs. A plataforma de equity crowfunding permitiu um grande volume de financiamento em tempo recorde, com todas a atingirem o overfunding — isto é, a excederem o objetivo inicial antes de fecharem as portas aos investidores.

No caso da Homeit, a primeira das três a lançar a campanha, conseguiu atingir a fasquia dos 250.000 euros por 10% das ações em quatro dias. De momento, já conta com 510 mil euros dos investidores, quase o dobro. Falta uma semana para concluir este capítulo.

Resultados das campanhas de financiamento das três startups portuguesas na Seedrs até à data.

 

A Corkbrick Europe pediu 150 mil euros aos investidores em troca de 15% das ações da empresa, mas já mereceu mais de 168 mil. Para a Agroop, esta não é uma estreia: as três campanhas que lançou na Seedrs tiveram sucesso e valeram até agora quase 400 mil euros à startup de Óbidos. A última, ainda a decorrer, contribuiu com 220.628 euros para o balanço.

As semelhanças entre estas startups não terminam por aqui: para além de bem-sucedidas nas respetivas campanhas, todas partilham o objetivo de expansão. Foi precisamente para atravessar fronteiras que foi necessário um aumento de capital.

Para além do montante, as startups veem potencial na Seedrs para aumentar a visibilidade. O CEO da CorkBrick Europe, Miguel Reynolds Brandão, realça que através da plataforma de equity crowdfunding conseguiu a atenção de executivos da Google, Lego e Cisco, que se tornaram investidores. Para além disso, vê a vantagem de “promover o nosso produto junto de potenciais clientes e parceiros”, acrescenta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Três startups portuguesas, dois meses e 900 mil euros na Seedrs

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião