Corkbrick atrai mais financiamento para rumar à Europa

  • Ana Batalha Oliveira
  • 18 Agosto 2017

A Corkbrick Europe inventou um sistema de construção com módulos de cortiça que dispensa ferramentas. A campanha de financiamento excedeu os objetivos e permite agora a expansão para a Europa.

A startup portuguesa que inventou um sistema de construção de blocos de cortiça, junta agora a última peça a este puzzle: a campanha de financiamento na plataforma Seedrs já ultrapassou o objetivo e vem permitir o salto para o mercado europeu. Entre os 160 investidores estão executivos da Google, Lego e Cisco.

A Corkbrick Europe já conseguiu mais do que os 150 mil euros que pedia em troca de 15% da startup. Foram 160 os investidores que permitiram à empresa atingir uma avaliação de 850 mil euros. A quantia angariada servirá para financiar a produção em massa e a comercialização por toda a União Europeia. Apesar de já ter excedido o objetivo inicial em 2%, a campanha continuará ativa.

"É um grande orgulho conseguir atrair o interesse de tantos investidores/fans, incluindo executivos da Google, Lego, Cisco, Universidade de Arquitetura de Londres, em todo o mundo e conseguir promover o nosso produto junto de potenciais clientes e parceiros.”

Miguel Reynolds Brandão, CEO e um dos fundadores da Corkbrick Europe.

Miguel Reynolds Brandão acredita que a forma de financiamento escolhida, o equity crowdfunding, foi um fator decisivo no alcance que a empresa conseguiu ao nível de investidores. Para além disso, acredita que a campanha aumentou a credibilidade da empresa e atestou a transparência.

O produto da CorkBrick Europe consiste num sistema de construção de qualquer tipo de estrutura, por exemplo peças de mobiliário, sem ser necessário o recurso a ferramentas. Os blocos de cortiça montam-se de forma semelhante a um Lego.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Corkbrick atrai mais financiamento para rumar à Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião