Seedrs cria mercado secundário para as startups

Seedrs vai criar um mercado secundário para as ações de empresas que se financiaram através da sua plataforma. Com isto, dá liquidez aos investidores, para que possam trocar títulos entre si.

Como será o mercado secundário da SeedrsSeedrs

A Seedrs vai criar um mercado secundário que permitirá que os investidores possam comprar e vender de ações de empresas, na grande maioria startups, que foram financiadas através da sua plataforma de crowdfunding, a maior a nível europeu.

A ferramenta é pioneira, estará disponível já a partir deste verão e tem como objetivo gerar liquidez necessária para que se possa negociar ações de empresas que obtiveram financiamento do mercado através da Seedrs.

“Até agora, os investidores tinham muita dificuldade em negociar as ações de empresas financiadas através de campanhas na Seedrs, tendo que esperar por um possível IPO (entrada em bolsa) ou venda da empresa”, refere a Seedrs. “Para responder a esta necessidade, a Seedrs cria um mercado secundário que dará oportunidade aos investidores de venderem ações (…) e, desta forma, fazer mais-valias”, acrescenta.

Da mesma forma, os investidores passam a ter a possibilidade de reforçar as suas participações através da compra de títulos neste mercado, numa negociação que dependerá da procura e da oferta disponível.

"Até agora, os investidores tinham muita dificuldade em negociar as ações de empresas financiadas através de campanhas na Seedrs, tendo que esperar por um possível IPO (entrada em bolsa) ou venda da empresa. Para responder a esta necessidade, a Seedrs cria um mercado secundário que dará oportunidade aos investidores de venderem ações (…) e, desta forma, fazer mais-valias.”

Seedrs

Comunicado

Para as empresas, após a captação de financiamento, deixam de estar pressionadas para dar uma porta de saída para os investidores, que passam a contar com uma alternativa de liquidez neste mercado. Adicionalmente, sublinha a plataforma, esta nova ferramenta abre a porta a mais capital para as “recém-cotadas” com maior interesse dos investidores.

Em 2016, a Seedrs gerou investimentos superiores a 85 milhões de libras (cerca de 100 milhões de euros) em mais de 160 campanhas que contaram com a participação de investidores de 65 países. Desde o arranque da sua atividade, em julho de 2012, foram financiados mais de 500 negócios através da Seedrs num montante total superior a 210 milhões de libras (cerca de 250 milhões de euros).

Como funcionará?

O mercado secundário será lançado originalmente numa versão beta (de testes). Nesta primeira fase, o mercado vai estar aberto durante uma semana por mês, arrancando na primeira terça-feira de cada mês. Entre outras regras:

  • As ações serão negociadas por um “valor justo”, que é o preço que a Seedrs atribui com base na sua política de avaliação, validada pela EY;
  • Apenas os investidores atuais de uma determinada empresa poderão comprar ações da mesma;
  • Algumas empresas poderão ser inelegíveis para negociar em determinadas alturas.

A Seedrs adianta que vai acompanhar de muito perto o comportamento deste mercado, admitindo alargar o período de negociação, o preço e a elegibilidade após o lançamento da versão beta. Ainda assim, a companhia deixa o alerta aos investidores relativamente à pouca liquidez que historicamente o mercado secundário para ações de empresas privadas regista.

“Poderá ser difícil encontrar um comprador ou um vendedor e os investidores não devem assumir que haverá uma porta de saída para as empresas só porque existe um mercado secundário”, salienta a Seedrs.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seedrs cria mercado secundário para as startups

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião