Banca em stress faz disparar aumentos de capital

O valor captado pelas empresas junto dos investidores está a disparar. O saldo vai já nos 34 mil milhões de euros, bem mais do que o registado na totalidade do ano passado.

As operações de aumento de capital realizadas pelas empresas europeias estão a disparar. Só nos primeiros quatro meses do ano foram obtidos 28,7 mil milhões de libras (34 mil milhões de euros) em novo capital, mais do que no total do ano passado. A explicação para o “fenómeno” é simples: a debilidade dos bancos.

De acordo com os dados da Olivetree Financial, citados pelo Financial Times (acesso pago), o montante captado pelas empresas europeias neste período supera já os 21 mil milhões angariados junto dos investidores no ano passado, tendo também superado os 22,1 mil milhões contabilizados em 2015.

Este valor avultado tem uma explicação: a banca. O setor financeiro tem estado particularmente ativo na captação de recursos através do mercado de capitais fruto da debilidade das bases de capital. A descapitalização das instituições financeiras tem exigido aumentos de capital, em muitos casos de vários milhares de milhões.

A Olivetree Financial dá dois bons exemplos: o Deutsche Bank avançou com uma operação de recapitalização avaliada em oito mil milhões de euros, mas foi o UniCredit quem “rebentou com a escala”. O banco italiano fez um aumento de capital de 13 mil milhões de euros, sendo um dos muitos bancos do país com necessidades de aumentar capital.

Além dos aumentos de capital, a suportar este forte aumento nos valores captados pelas empresas europeias nos mercados está também o crescimento das operações de fusões e aquisições. Martin Thorneycroft, do Morgan Stanley, diz que “temos visto também vários aumentos de capital para financiar aquisições”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca em stress faz disparar aumentos de capital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião