Investidores contidos com vitória de Macron. C’est la vie

A primeira reação dos mercados após eleições francesas foi contida. A bolsa de Paris até abriu em perda. Os analistas justificam que investidores já tinham descontado cenário de Macron no Eliseu.

Contida e sem grandes euforias. Os investidores receberam a vitória a Emmanuel Macron nas eleições francesas com pouco entusiasmo. Descontentes com resultados? Não. Foram descontados os resultados na semana passada, justificam os analistas em relação ao comportamento tímido do mercado observado na manhã desta segunda-feira.

“A vitória de Macron é boa para a União Europeia, mas as iminentes eleições legislativas vão determinar quão eficaz pode ser esta vitória”, diz a Allianz Global Investors. “Apesar da incerteza sobre a Itália, os investidores devem poder agora concentrar-se mais no lado económico positivo da história europeia. Com um desemprego e números da produção em melhoria, os ativos na Europa devem continuam a apresentar melhores desempenhos que os ativos globais; prevê-se ainda um reforço do euro”, acrescenta.

“O recente comportamento dos mercados já tinha descontado uma vitória de Macron, limitando agora um ulterior rally”, referem os analistas do BPI no seu Diário de Bolsa.

Paris lidera perdas nas ações

No centro financeiro de França, onde se esperava maior entusiasmo, o cenário é diferente. O principal índice parisiense, o CAC-40, cede 0,61% para 5.398,16 pontos, liderando quedas nas bolsas europeias. Trata-se de uma ligeira correção em baixa após as valorizações de 3,13% e 4,11% nas últimas duas semanas. Acompanham nas perdas outras principais praças do Velho Continente, casos do DAX-30 de Frankfurt (-0,05%), do FTSE-Mib de Milão (-0,47%) ou do Ibex-35 de Madrid (-0,43%). Em Lisboa, o início é positivo para o PSI-20.

Juros franceses descem, juros portugueses sobem

No mercado secundário de dívida, se os juros da dívida francesa estão em queda, com a taxa a dez anos a ceder para 0,84%, em Portugal existe uma tendência de relativo agravamento das taxas. A yield associada às obrigações a dez anos sobe quase seis pontos base para 3,45%, antes de o IGCP proceder ao primeiro leilão do ano nesta maturidade na próxima quarta-feira. Diz o Barclays que muito já tinha sido descontado nos spreads das obrigações europeias. “O sentimento bearish (em baixa) em duração tem espaço para se manter a médio prazo, dependendo do Banco Central Europeu (BCE) e do cenário macroeconómico”, salientam os analistas daquele banco. Da parte do Citigroup, alerta-se para a periferia com a “tapering do BCE que pode estar já a acontecer, enquanto o próximo risco político em Itália começa a escalar”.

Euro trava contra o dólar

A moeda única está a perder terreno face às principais divisas mundiais, incluindo o dólar norte-americano, contra o qual cede 0,3% para um patamar inferior aos 1,10 dólares, num movimento de tomada de mais-valias em torno do euro. “O euro fica em posição de venda acima dos 1,10 dólares, à medida que a liderança sénior do BCE com Draghi e Praet continuam cautelosos em relação às perspetivas para a inflação na zona euro, enquanto os dados do emprego nos EUA sugerem que a Fed vai continuar a subir juros”, referiu Mansoor Mohi-uddin, da NatWest Markets.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investidores contidos com vitória de Macron. C’est la vie

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião