Revista de imprensa internacional

O resultado das eleições francesas domina a agenda mediática mundial desta segunda-feira. Nesta revista de imprensa internacional fique a conhecer a equipa que acompanha Macron.

Os olhos do mundo estiveram concentrados em França esta segunda-feira. Depois do alívio, continuam algumas dúvidas, nomeadamente quanto às eleições legislativas que se realizam daqui a algumas semanas e vão ditar a forma de governar de Emmanuel Macron. Na Europa, a debilidade dos bancos e a desigualdade salarial continuam a ser duas problemáticas que dominam o discurso político e económico. Já em Macau, as autoridades chineses pedem uma maior diversificação das receitas do Estado.

The Guardian

O ‘boom’ do Brexit foi o ‘boom’ dos multimilionários

O Reino Unido atingiu os 134 multimilionários, um número recorde para o país. Segundo a lista Sunday Times Rich List, em ano de Brexit somaram-se mais 14 multimilionários, um sinal de que a economia britânica está a beneficiar mais os poucos que estão no topo do que a generalidade dos cidadãos. Há 15 anos, segundo o The Guardian, havia apenas 21 multimilionários. No total os 1.000 cidadãos mais ricos do Reino Unido têm 658 mil milhões de libras.

Leia a notícia completa aqui. (Acesso gratuito / Conteúdo em inglês)

Bloomberg

À terceira não foi de vez para a PPG

A farmacêutica norte-americana PPG Industries viu a sua terceira oferta pela farmacêutica holandesa Akzo Nobel rejeitada. Apesar de pressionada por alguns acionistas para negociar, a farmacêutica holandesa preferiu rejeitar a oferta, após duas semanas de avaliação, por causa das falhas e dos riscos da proposta. Face a esta situação, é expectável que a PPG Industries leve a proposta de aquisição por 29,5 mil milhões de dólares diretamente aos acionistas que detêm a empresa holandesa.

Leia a notícia completa aqui. (Acesso gratuito / Conteúdo em inglês)

Reuters

China pede a Macau para diversificar economia

O regime comunista chinês quer que a economia de Macau seja mais diversificada, indo para lá da indústria do jogo que alimenta os casinos da região. O alerta foi dado pelo número três do Governo chinês, Zhang Dejiang, que está em visita oficial à antiga colónia portuguesa. Atualmente, 80% das receitas do Estado provêm dessa indústria, mas a China prefere uma maior diversificação, também para proteger o país de esquemas de lavagem de dinheiro.

Leia a notícia completa aqui. (Acesso gratuito / Conteúdo em inglês)

Financial Times

As operações de aumento de capital realizadas pelas empresas europeias estão a disparar. Só nos primeiros quatro meses do ano foram obtidos 28,7 mil milhões de libras (34 mil milhões de euros) em novo capital, mais do que no total do ano passado. A explicação para o “fenómeno” está na banca. O setor financeiro tem estado particularmente ativo na captação de recursos através do mercado de capitais fruto da debilidade das bases de capital. A descapitalização das instituições financeiras tem exigido aumentos de capital, em muitos casos de vários milhares de milhões.

Leia a notícia completa aqui (Acesso pago / Conteúdo em inglês).

Bloomberg

A equipa de Macron

Muito se tem especulado sobre quem será o primeiro-ministro de Emmanuel Macron, tendo até se especulado que a escolha pudesse recair sobre a atual diretora-geral do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde. Independentemente dessa escolha, a equipa de Macron é constituída pela elite francesa que estudou nas melhores escolas do país. O retrato da Bloomberg mostra os aliados mais veteranos, mas também os seus contemporâneos.

Leia a notícia completa aqui. (Acesso gratuito / Conteúdo em inglês)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião