Mortágua não seria ministra “deste Orçamento nem Governo”

  • ECO
  • 1 Setembro 2017

Mariana Mortágua afirma que o atual Governo não tem um programa "transformador" mas foi uma solução para parar "o projeto político radical da direita que estava a ser implementado a todo o gás".

“Não seria ministra das Finanças deste orçamento (…), nem deste Governo, nem desta conjuntura”, resumiu a deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua, confrontada pelo Diário de Notícias com a opinião de Francisco Louçã de que viria a ocupar esse cargo. Numa entrevista publicada esta sexta-feira, Mortágua rejeitou exemplificar medidas que aplicaria como ministra das Finanças visto que só o seria noutras circunstâncias.

Para a deputada do Bloco, “Portugal não está a ter um programa transformador”. O partido do Governo, o PS, tem a maioria dos votos, e o Bloco de Esquerda manobra dentro dos seus 10%: “Um partido com 10% não faz um programa, tem poder com os seus 10% de viabilizar ou não viabilizar uma solução política, de permitir com isso, ou não, avanços específicos que travam a direita no seu programa de destruição e terraplanagem dos direitos laborais em Portugal”.

“O que se passou nas últimas eleições foi uma decisão, à escala dos 10% do BE, para travar o projeto político radical da direita que estava a ser implementado a todo o gás”, continua a deputada. “Mas está longe de ser um programa transformador, tanto que não o é que continuamos a ser brutalmente condicionados em investimentos que são importantíssimos para o país – em escolas, saúde, serviço público”.

Quando lhe é pedido para comparar o partido grego de governo Syriza com o Bloco de Esquerda, já que houve uma altura em que estiveram no mesmo pé, Mortágua começa por sublinhar as diferenças antes de dizer que “o que aconteceu ao Syriza” mostrou ao Bloco “a verdadeira natureza das instituições europeias” e que só poderá “ter um programa transformador para Portugal rompendo com esse quadro institucional”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mortágua não seria ministra “deste Orçamento nem Governo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião