Pedro Nuno Santos: Divulgar OE antes das eleições “seria muito pior para o PSD”

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares garantiu este sábado que o Governo irá apresentar o Orçamento do Estado para 2018 até ao dia 13 de outubro, sem antecipações.

Pedro Nuno Santos afirmou este sábado, em declarações à margem da Festa do Avante, que antecipar a apresentação do Orçamento do Estado para 2018 “seria muito pior” para o PSD. Foi desta forma que o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares respondeu à sugestão de Pedro Passos Coelho para que o Governo antecipasse a apresentação do OE2018 para antes de 1 de outubro, dia de eleições autárquicas.

Em declarações transmitidas pelas televisões, o socialista criticou a sugestão dada pelo líder do PSD: “Posso-vos garantir que se o Orçamento fosse apresentado antes — se pudesse ser — seria muito pior para o PSD”. “Já sabemos há muito tempo que temos eleições a dia 1 de outubro e que temos de entregar o Orçamento até ao dia 13 de outubro“, afirmou, garantindo que o Orçamento vai ser entregue “na data em que é suposto”.

Esta sexta-feira, Pedro Passos Coelho acusou o Governo de dar as boas notícias antes das eleições, deixando para depois as más. “O Governo devia fazer uma de duas opções. Ou apresenta o Orçamento antes das eleições autárquicas para os portugueses saberem todos com que é que vão contar quando vão fazer as suas escolhas, ou entende manter o calendário normal, e está no seu direito, ou então devia ser um bocadinho mais contido na forma como utiliza a discussão orçamental para favorecer as candidaturas autárquicas dos partidos que suportam o Governo”, sugeriu.

Confrontado com as declarações do ex-primeiro-ministro, Pedro Nuno Santos garantiu que não existem más notícias no Orçamento para o próximo ano. “O que ele [Passos Coelho] nunca entendeu é que nós quando aumentamos pensões não estamos a dar nada aos pensionistas. Estamos a respeitar quem trabalhou uma vida inteira e merece ter uma reforma com dignidade e decência. Não é eleitoralismo, é respeito“, garante o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares.

Para o socialista, a acusação de eleitoralismo feita por Passos Coelho é “um elogio” dado que “isso quer dizer que as medidas que estão a ser trabalhadas são boas para o país”. “Nós no Governo anterior só estávamos a falar de um aumento de impostos, de cortes nos rendimentos, nas pensões, nos salários. Nós agora estamos noutro momento da vida dos portugueses e de Portugal. Nós estamos a discutir quando é que vamos avançar”, disse.

Pedro Nuno Santos aproveitou ainda para criticar o líder do PSD por pedir “estabilidade fiscal”: “Essa é uma preocupação que nós também temos, mas há uma maior ainda: a justiça fiscal“.

“Nunca nos ouviram dizer que vivemos num país cor-de-rosa”

Apesar do atual momento positivo na maior parte dos indicadores económicos, o Executivo admite que ainda persistem problemas e, por isso, percebe as reivindicações dos partidos à esquerda. “Nós [Governo] também achamos que é preciso fazer muito mais”, garante Pedro Nuno Santos.

Mesmo com a economia como está a crescer, o emprego que estamos a criar, o momento das exportações e do investimento, nunca nos ouviram dizer que vivemos hoje num país cor-de-rosa. Vivemos num país com muitos problemas, com elevados níveis de pobreza e desigualdade. Há muito trabalho a fazer. Mas, ao contrário do que acontecia no passado, olhamos para a frente com esperança”, argumenta o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, referindo que esse “é talvez o segredo do sucesso desta maioria”.

“Houve alguém que dizia que no essencial os partidos que compõem esta maioria não se entendem. O que não deixa de ser extraordinário porque verdadeiramente essencial é aquilo que nós temos feito em matéria de reposição dos cortes, aumento do salário mínimo, reposição das pensões”, argumenta Pedro Nuno Santos.

Questionado sobre a melhoria da perspetiva pela Moody’s, o governante referiu que “não havia como ficar dececionado” com a decisão da agência porque antes de haver uma subida no rating tem de haver uma melhoria na perspetiva. “Verdadeiramente importante é a confiança que a maioria tem no povo português. Esse é o melhor certificado (…) Já agora se pudermos também ter a confiança dos investidores estrangeiros, melhor. E nós temos”, argumenta o secretário de Estado, assinalando que “é natural” que o passo seguinte seja a subida do rating.

(Atualizado às 17h38)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Nuno Santos: Divulgar OE antes das eleições “seria muito pior para o PSD”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião