Marcelo quer conclusões sobre Tancos o mais depressa possível

O Presidente da República respeita o tempo da investigação sobre os acontecimentos em Tancos, mas defende que é importante apurar os factos o mais depressa possível.

Marcelo Rebelo de Sousa está “preocupado” com o tempo que está a demorar a apurar os factos sobre o assalto de Tancos. “Passaram dois meses e uma semana”, disse o Presidente da República, numa referência precisa, demonstrando que continua “muito atento” ao tema.

À margem de um evento organizado pela Associação Acreditar, Marcelo Rebelo de Sousa disse que aguarda a conclusão da investigação dos acontecimentos, “uma investigação interna importante para as Forças Armadas”, sublinhou em declarações transmitidas pela RTP3, para além da investigação criminal em curso.

“Continuo a acreditar e muito atento”, disse Marcelo relembrando que tinha defendido a necessidade que os factos fossem apurados “de alto a baixo”. “Considero que o tempo do apuramento é importante mas deve ser o mais curto possível”, embora respeitado o tempo da investigação criminal, ressalvou, “até para o prestígio da instituição militar”, disse o Chefe de Estado.

O Exército divulgou no passado dia 29 de junho o furto de material de guerra dos paióis de Tancos, Vila Nova da Barquinha, Santarém, com um valor estimado em 34.400 euros. Parte desse material estava obsoleto e indicado para abate desde 2012, disse Azeredo Lopes.

Marcelo Rebelo de Sousa recusou pronunciar-se sobre “dados concretos”, mas concluiu: “Preocupa-me o tempo”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo quer conclusões sobre Tancos o mais depressa possível

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião