Merkel e Schulz não querem Turquia na UE

  • ECO
  • 4 Setembro 2017

"É claro que a Turquia não deve tornar-se membro da União Europeia", disse Angela Merkel, no passado domingo, em debate televisivo com Martin Schulz, que partilha da mesma opinião.

“É claro que a Turquia não deve tornar-se membro da União Europeia”, disse Angela Merkel, no passado domingo, em debate televisivo com Martin Schulz, tendo ambos expressado o desejo de discutir o fim das negociações com o país para a respetiva adesão.

A chanceler alemã afirmou que vai procurar um consenso junto dos restantes líderes europeus nesta matéria e revelou não acreditar que a Turquia algum dia faça parte da União Europeia: “Não vejo a adesão acontecer e nunca acreditei que ela pudesse ocorrer”.

Merkel quer colocar assim termo às negociações que já vêm de 2005 e que diz agora encontrarem-se em “ponto morto”. Sobre este assunto, Martin Schulz revelou partilhar da mesma opinião e disse que se fosse eleito travaria as intenções turcas de integrar o bloco europeu.

Do lado turco, já se fez sentir o descontentamento face às palavras de ambos os candidatos à liderança do país germânico. Citado pela Reuters, Ömer Çelik defende que estas declarações se tratam de um ataque aos fundamentos da instituição europeia e que o país continuará a sentir-se europeu e uma democracia europeia.

Também o porta-voz da presidência turca, Ibrahim Kalin, expressou o seu descontentamento face ao conteúdo do debate na sua conta no Twitter: “A política maioritária alemã, que resvala para o populismo e a intenção de ver o ‘outro’ apenas como inimigo, apenas estimula a discriminação e o racismo”, disse, acrescentando que “pouco importa qual o partido que vai vencer na Alemanha, porque já ficou claro que mentalidade vai ganhar”.

No que diz respeito ao vencedor do debate, a sondagem da emissora pública ARD ditou a derrota do líder do Partido Social-Democrata da Alemanha, que conquistou a confiança de apenas 35% dos inquiridos, face a 55% de Merkel. Outra sondagem, do canal público ZDF, apontou também para a vitória de Merkel, embora com uma margem mais reduzida: 32% contra 29% de Martin Schulz.

O debate surgiu a três semanas das eleições legislativas alemãs, que terão lugar no dia 24 de Setembro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Merkel e Schulz não querem Turquia na UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião